Papel do enfermeiro na CME

Os desafios do Enfermeiro na CME

Quando pensamos na Central de Material e Esterilização, logo nos vem à cabeça a imagem desse especialista competente, capaz de aplicar os conhecimentos corretos para que os processos aconteçam de forma segura, eficiente e com qualidade: O enfermeiro.

Ao longo das décadas, o bom desempenho das Centrais de Materiais e Esterilização (CMEs) tem sido estratégico à engrenagem de toda cadeia produtiva da unidade hospitalar. Elas são elementares à realização dos principais procedimentos médicos dentro do hospital, desde os mais simples aos mais complexos. Quando funcionam bem, seus benefícios não passam de obrigações em nome da segurança e da qualidade. Porém, quando apresentam problemas operacionais, o que se vê como resultado é um emaranhado de consequências que afetam diretamente a qualidade da assistência prestada pelo estabelecimento. O desenvolvimento da Central de Material e Esterilização (CME) está relacionado com a transformação do hospital como local de intervenções no corpo biológico, principalmente as cirurgias.

Garantir a qualidade e a segurança do processamento de materiais utilizados na assistência hospitalar representa um dos pilares do controle e da prevenção de infecções. Com o passar dos anos, as CMEs foram ganhando importância devido à própria evolução da Medicina, que ampliou consideravelmente o leque de procedimentos cirúrgicos, diagnósticos e terapêuticos. O aumento na demanda e da complexidade de cirurgias passou a exigir a devida esterilização de um grande arsenal de instrumentos. Além disso, outros fatores contribuíram para as transformações pelas quais vêm passando as CMEs, a exemplo das evoluções tecnológicas dos instrumentos, que incorporaram materiais de diferentes tipos; as mudanças na legislação, com a adequação da RDC 15 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que passou a estabelecer condições físicas de funcionamento dessas centrais; até as boas práticas do ambiente, atreladas a metas gerenciais e de segurança.

Essas transformações têm exigido um olhar mais criterioso por parte das administrações hospitalares. A CME é uma unidade de apoio técnico dentro do estabelecimento de saúde destinada a receber material considerado sujo e contaminado, descontaminá-los, prepará-los e esterilizá-los, bem como, preparar e esterilizar as roupas limpas oriundas da lavanderia e armazenar esses artigos para futura distribuição.

A seguir, você compreenderá mais sobre qual é a real função do enfermeiro na CME e também conhecerá uma alternativa para que o processamento dos artigos de seu hospital ou clínica aconteça de forma impecável. Acompanhe!

A atuação do enfermeiro no central de material e esterilização

Na Central de Material e Esterilização, a atividade de gerenciamento é a principal adotada pelo enfermeiro, podemos defini-lo como de extrema responsabilidade, o funcionamento adequado tem como base a gerência do processo e medidas de previsão e provisão de recursos.

Partindo do princípio que o preparo de materiais é fundamental à prática assistencial da Enfermagem e da Medicina, devendo ser feito com todo o cuidado e profissionalismo possíveis. Portanto, o enfermeiro, durante o processamento, assume diversas funções, como:

  • administração do setor;
  • desenvolvimento de atividades técnico-assistenciais;
  • controle de rotina dos métodos esterilizantes;
  • gestão do capital humano.

Cabe aos Enfermeiros responsáveis por Centro de Material e Esterilização (CME), ou por empresa processadora de produtos para saúde: a participação, coordenação, execução, supervisão e avaliação de todas as etapas do processamento de produtos para saúde. Pode-se inferir a relevância do estímulo pela busca do conhecimento acerca da atuação do enfermeiro na CME, compreendendo o perfil dos trabalhadores e as suas respectivas funções no processamento dos materiais de saúde.

Realizar o gerenciamento adequado da CME é a base para garantir a segurança da esterilização e um bom atendimento aos pacientes. Por isso, o enfermeiro é um profissional indispensável na área.

Como é a rotina do enfermeiro na CME?

A primeira atividade é o recebimento de materiais não limpos e contaminados. A partir disso, o enfermeiro gerencia o processo, distribuindo as funções para a sua equipe, e, então, inicia a esterilização. Cabe a esses profissionais responsáveis a coordenação, a execução, a supervisão, a rastreabilidade e a avaliação de todas as etapas.

Esse preparo de materiais deve ser realizado com muito cuidado e profissionalismo, afinal, estamos lidando com a saúde de milhares de pessoas. Portanto, o enfermeiro é essencial e assume diversas funções, como:

  • É o responsável pelo fornecimento de material esterilizado a todo hospital/clínica;
  • Promove a interação entre os setores;
  • Adapta as condições ambientais às necessidades do trabalho na CME;
  • Planeja e implementa treinamentos que atendam às necessidades da área;
  • Promove o envolvimento e o compromisso de toda a equipe;
  • Favorece o bom relacionamento entre os membros da equipe;
  • Providencia materiais e equipamentos que atendam às necessidades do trabalho na CME.

Como garantir a qualidade no processamento e na esterilização?

Invista em uma empresa especializada e em equipamentos de qualidade. Assim, você terá certeza de que o serviço seguiu altos padrões de qualidade e os materiais estão totalmente prontos para a reutilização.

Sanders do Brasil, durante seus 18 anos, sempre prezou pela segurança, pelo respeito irrestrito à legislação, e pela excelência na qualidade hospitalar. Os seus  equipamentos contribuem significativamente para que os estabelecimentos de saúde cumpram a nobre função de salvar vidas.

O nossos especialistas estão prontos para oferecer o melhor para o seu hospital ou clínica. Fale conosco!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *