Conheça 7 formas de aplicar a biossegurança na enfermagem

Conheça 7 formas de aplicar a biossegurança na enfermagem

Considerando que o ambiente hospitalar é composto por diversos tipos de riscos, como biológico, físico, químico, ergonômico, etc., a biossegurança em enfermagem é uma questão muito relevante. A adoção dessa abordagem é uma forma de controlar e reduzir os perigos que causam acidentes e doenças ocupacionais, que prejudicam a saúde, o bem-estar e a qualidade de vida dos colaboradores e o meio ambiente.

Pensando na sua importância, elaboramos este conteúdo para apresentar as melhores formas de aplicar a biossegurança na área da saúde, principalmente no ramo da enfermagem. Acompanhe!

Como funciona a aplicação da biossegurança na enfermagem?

As regras e procedimentos estabelecidos devem ser seguidos cuidadosamente para manter um ambiente de trabalho mais seguro e prevenir os riscos de doenças e acidentes de trabalho. Portanto, neste momento, medidas que possam melhorar o desempenho dos funcionários são cruciais.

O que pode ser feito para garantir a efetividade da biossegurança na enfermagem? Conheça 7 formas a seguir.

1. Identificar os tipos de riscos

Os riscos precisam ser mapeados conforme as suas características, para que sejam mais bem compreendidos, e as estratégias mais eficientes serem aplicadas. Eles podem ser:

  • agentes químicos (vermelho) — produtos químicos de diversas formas, como medicamentos, formol e ácidos;
  • agentes físicos (verde) — equipamentos que geram frio, calor, radiação, centrífugas, autoclave etc;
  • agentes biológicos (marrom) — agentes biológicos, por exemplo, bactérias, vírus e fungos;
  • agentes mecânicos/de acidentes (azul) — espaço físico inapropriado para a realização do trabalho, iluminação inadequada, possibilidade de incêndio e demais;
  • agentes ergonômicos (amarelo) — outras atividades profissionais, como rotina intensa, estresse físico e mental, levantamento de peso, postura inadequada, esforço repetitivo, entre outros.

2. Utilizar os EPIs

De acordo com a Norma Regulamentadora Nº 6, a empresa é obrigada a oferecer, de forma gratuita, os equipamentos de proteção individual para que o empregado tenha condições de desenvolver suas atividades com proteção. Entre os mais utilizados na área da enfermagem, estão:

  • Luvas — protegem contra os riscos químicos, biológicos, sendo bastante usadas na manipulação de produtos contaminantes;
  • Avental — serve como barreira contra certas substâncias e microrganismos;
  • Touca — protege contra partículas que possam contaminar o trabalhador e a queda de fios de cabelos em materiais ou ambiente laboral;
  • Óculos — evita a exposição dos olhos a agentes biológicos, físicos e químicos;
  • Máscara — previne o risco de contaminação por vias respiratórias;
  • Sapatos — de acordo com a Norma Regulamentadora Nº 32, fica impedido o uso de sapatos abertos na realização das atividades.

Considerando que cada atividade possui um EPI específico para garantir a segurança necessária, é fundamental que os profissionais entendam os bons padrões de atendimento.

3. Higienizar as mãos constantemente

As mãos são um dos principais transportadores de microrganismos. Portanto, é imprescindível ter atenção à higiene em ambiente hospitalar exposto a diversas doenças e substâncias infecciosas. Nesse caso, toda a equipe, incluindo enfermeiras, médicos e demais profissionais, precisa desinfetar as mãos com álcool 70% na troca de pacientes antes de calçar novas luvas e visitantes.

Além disso, as mãos devem ser lavadas com água e sabão com frequência, com o intuito de evitar a contaminação hospitalar. O ideal é inserir placas e sinais de aviso em local apropriado a respeito da importância desse cuidado, contendo as instruções de como realizá-lo.

4. Manipular corretamente os materiais

A manipulação correta dos materiais hospitalares é outra ação importante para a aplicação da biossegurança em enfermagem. Isso porque é imperativo saber o que deve ser feito ao manusear agulhas, sangues, itens cortantes, entre outros.

Nesse caso, deve-se criar um Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviço de Saúde (PGRSS), que se trata de um documento técnico onde estão inseridas todas as medidas de segurança referentes aos resíduos, desde a sua geração até o seu descarte, e que deve ser seguido a risca para evitar acidentes e contaminação.

5. Descartar os resíduos adequadamente

Essa medida é importante para preservar não só as pessoas que se encontram na unidade hospitalar, como o meio ambiente. Os protocolos e as normas de biossegurança devem englobar o descarte de todos os tipos de resíduos, como:

  • potencialmente infectantes — aqueles que podem conter agentes infecciosos e geram riscos biológicos, como vestígios de fluidos, devem ser descartados em sacos de lixo branco e recolhidos por empresa especializada no cuidado com lixos hospitalares;
  • químicos — resíduos que contenham substância química, como tóxicos, inflamáveis e corrosivos, também devem ser coletados e tratados por empresa especializada;
  • radioativos — resíduos que apresentam radioatividade superior ao padrão precisam ser tratados em observância às normas de biossegurança;
  • comuns — aqueles que não foram contaminados e não geram riscos de contaminação, como plásticos e papéis, podem ser descartados de forma habitual e levados para a coleta de rotina;
  • perfurocortantes — qualquer instrumento que possa cortar ou furar, como agulhas e vidros, precisam ser descartados em caixas amarelas específicas e coletadas por empresa especializada.

6. Desinfetar as superfícies

É necessário desenvolver manuais de procedimentos relacionados à limpeza, desinfecção e descontaminação de áreas, equipamentos, superfícies, EPIs e demais. Nesse caso, álcool, água corrente, sabão e detergente são soluções eficientes para eliminar o risco biológico, como fluidos e sangues. Tudo deve ser limpo antes e depois da sua utilização, com a finalidade de evitar a propagação de microrganismos residuais.

7. Treinar a equipe

Os colaboradores precisam conhecer os riscos aos quais estão expostos para que tenham a total consciência da importância de seguir à risca os protocolos apresentados. Por esse motivo, é crucial apresentar os perigos de contaminação e infecção a todos os membros da equipe. Além disso, é preciso fazer reciclagens e treinamentos periódicos para lembrá-los a respeito desses riscos e atualizar sobre mudanças e processos originários de novas ameaças.

Agora que você entende a importância da biossegurança na enfermagem, deve entender todos os cuidados a serem tomados, visto que o não cumprimento das medidas pode trazer múltiplos riscos ao profissional, ao paciente e ao meio ambiente. Por exemplo, além de colocar em risco a segurança dos indivíduos e a possibilidade de desenvolver e disseminar doenças de difícil controle, aumenta a exposição a vírus, bactérias e outros patógenos.

Conheça toda linha de produtos Sanders para CME.

RN 452 ANS

RN 452: como a nova versão da acreditação impacta nas operadoras de saúde

Em 2011, por meio da Resolução Normativa RN 277, a Agência Nacional de Saúde (ANS) Suplementar criou o Programa de Acreditação das Operadoras de Planos de Saúde.

Sua criação foi inspirada nos modelos internacionais de avaliação da qualidade nos serviços em saúde. Mas, seu objetivo principal é definir padrões de qualidade e segurança que agreguem valor aos beneficiários, o que estimula um processo de competitividade qualitativa entre as empresas do setor.

O programa de acreditação das operadoras de saúde padronizam as referências em prestação de serviços de saúde privada. E visam ainda incentivar mudanças e a modernização na oferta desse tipo de saúde. Portanto, critérios rígidos são estabelecidos, garantindo a qualidade máxima aos trabalhos e sempre visando a melhoria no atendimento ao paciente.

O processo de acreditação é feita por instituições independentes, que devem ser homologadas pela ANS, e seguindo sempre um roteiro definido pela agência. Sua execução fica por conta de uma equipe técnica especializada, e que envolve toda a redefinição das práticas da operadora de saúde, num processo de médio a longo prazo.

Para cumprir os requisitos mínimos exigidos pela ANS na acreditação, a operadora deverá iniciar por um momento de mudanças, ligadas à:

  • Infraestrutura de TI;
  • Otimização de métodos de auditoria médica;
  • Implementação de sistemas de gestão de saúde mais modernos;
  • Adoção dos princípios de regulação prudencial;
  • Criação de novos canais de relacionamento com prestadores e usuários e que visa maior transparência em seus processos de liberação de procedimentos.

Processo de reformulação

O processo de reformulação que substituiu a RN 277 à RN 452 teve início em 2016. Foram feitas discussões que envolveram profissionais do setor de operadoras de saúde e a sociedade como um todo. Além disso, todo o processo foi submetido a Consulta Pública e onde recebeu 706 contribuições em apenas dois meses.

Com a entrada em vigor da RN 452, a RN 277 foi revogada, mas isso não significou que as já acreditadas perderam seus certificados. Eles ainda seguem vigentes até o final do seu prazo e quando ocorrer o processo de renovação, já será no novo modelo do Programa de Acreditação de Operadoras.

Para se submeter à acreditação, as operadoras deverão estar regulares nos programas de monitoramento econômico-financeiro, técnico-assistencial e de fiscalização da ANS. Da mesma forma, é ainda necessário ter nota no Índice de Desempenho da Saúde Suplementar (IDSS) igual ou maior a 0,6.

Impactos nas operadoras de saúde

A acreditação baseada na RN 452 garante às operadoras de saúde uma vantagem competitiva em relação aos seus concorrentes e já que evidencia a qualidade máxima na gestão em saúde.

Da mesma forma, a própria Organização Mundial de Saúde (OMS) ressalta que a acreditação envolve um conjunto de elementos que incluem:

  • Alto grau de competência profissional;
  • Eficiência na utilização dos recursos;
  • Redução de riscos;
  • Alto grau de satisfação dos pacientes;
  • E efeito favorável na saúde.

Além disso, para as operadoras a busca pela excelência (materializada por meio dos programas de acreditação) tem se mostrado uma alternativa de sobrevivência e sucesso, resultando em:

  • Maior rapidez na liberação de exames e procedimentos;
  • Otimização do fluxo de trabalho com métodos, técnicas e tecnologias inovadores;
  • Redução de custos com o redesenho de processos imposto por comitês avaliativos;
  • Agilidade no ciclo de faturamento;
  • Mais transparência na relação com prestadores e beneficiários;
  • Melhoria no atendimento aos beneficiários;
  • Diminuição de inconsistências que geram multas e queda no IDSS da instituição;
  • Fortalecimento da marca e aumento do prestígio da operadora no mercado.

A lista de operadoras de saúde acreditadas pode ser consultada no site da ANS. Isso garante ao paciente o direito de escolha daquela que oferece a máxima qualidade no serviço, principalmente já seguindo a RN 452.

Saiba mais, fale com nossos especialistas.

Classificação Spauding

Classificação Spaulding dos artigos da CME

Para ajudar os profissionais a escolher as melhores estratégias de limpeza e desinfecção para equipamentos e equipamentos cirúrgicos e hospitalares, H. E. Spaulding desenvolveu um método de classificação de itens de acordo com o risco de infecção do paciente em 1968. A famosa Classificação Spaulding nasceu.

Todos nós sabemos que os centros cirúrgicos e tudo o que está envolvido devem ser tratados de forma adequada para evitar a propagação de infecções entre pacientes e entre médicos e pacientes, e vice-versa. O centro de desinfecção do hospital é responsável pela cirurgia e suprimentos hospitalares. Entre eles, os profissionais de saúde devem transportar classificar, desmontar, limpar, desinfetar, esterilizar, armazenar e distribuir os itens processados.

Os materiais hospitalares são materiais utilizados para prevenir danos à saúde das pessoas ou restaurar a saúde e são necessários para a prestação de cuidados de enfermagem. Têm uma grande variedade de utilizações e são as mais versáteis, podendo ser descartáveis ​​ou permanentes, esterilizados ou não estéreis.

As equipes de enfermagem desempenham um papel importante na manutenção dos itens hospitalares em suas unidades de trabalho, seja em ambulatórios, unidades de base ou outros departamentos onde atuam. Para sua previsão e fornecimento, devem ser considerados a demanda do consumidor, as condições de armazenamento, o prazo de validade do produto e o período de esterilização.

Os itens utilizados nos serviços de saúde são divididos em três categorias de acordo com o grau de risco de infecção do paciente: crítico, semicrítico e não crítico. Esta classificação orientará a seleção do processo de desinfecção ou esterilização a ser utilizado.

Classificação dos Artigos, Segundo Spaulding

Artigos críticos – são aqueles que penetram nos tecidos sub-epiteliais da pele e mucosa, sistema vascular ou outros órgãos isentos de microbiota própria. Ex.: instrumentos de corte ou ponta; outros artigos cirúrgicos (pinças, afastadores, fios de sutura, cateteres, drenos etc.); soluções injetáveis.

Processo: esterilização

Artigos semicríticos – são aqueles que entram em contato com a mucosa íntegra e/ou pele não íntegra. Ex.: material para exame clínico (pinça sonda e espelho); condensadores; moldeiras; porta-grampos.

Processo: esterilização ou desinfecção de alto nível.

Artigos não críticos – são aqueles que entram em contato com a pele íntegra ou não entram em contato direto com o paciente. Ex.: termômetro; equipo odontológico; superfícies de armários e bancadas; aparelho de raios X.

Processo: esterilização de nível intermediário.

CLASSIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CLÍNICOS

Procedimento crítico – todo procedimento em que haja presença de sangue, pus ou matéria contaminada pela perda de continuidade do tecido.

Procedimento semicrítico – todo procedimento em que exista a presença de secreção orgânica (saliva), sem perda de continuidade do tecido.

Procedimento não crítico – todo procedimento em que não haja a presença de sangue, pus ou outras secreções orgânicas, inclusive saliva.

Limpeza de equipamentos, dispositivos e materiais médico-hospitalares

O Sistema de Classificação Spaulding orienta os métodos de reprocessamento usados nos equipamentos, dispositivos e materiais médico-hospitalares. O primeiro tipo de reprocessamento ao qual os artigos devem ser submetidos é a limpeza, que remove toda a sujeira visível, os detritos e outros materiais favoráveis para a sobrevivência e o crescimento dos micro-organismos. Todos os instrumentos ou dispositivos devem ser limpos de forma adequada para garantir que qualquer material inorgânico ou orgânico remanescente no item não interfira com os processos de descontaminação e esterilização. Além disso, os materiais sujos que secam ou torram e endurecem nos itens durante a esterilização dificultam o processo de remoção, tornando a desinfecção ou esterilização menos eficaz ou até mesmo ineficaz.

A limpeza de equipamentos, dispositivos e materiais médico-hospitalares envolve a remoção de material estranho (como detritos) e material orgânico (como sangue ou tecidos) dos objetos e normalmente é feita com água e detergentes ou produtos enzimáticos.

Os fabricantes dos equipamentos recomendam método de limpeza e agente desinfetante adequado, e os PASs devem seguir essas recomendações. A limpeza e a descontaminação devem ser realizadas logo após os itens serem usados.

Itens que foram usados em um paciente e serão limpos devem ser considerados contaminados independentemente de onde serão reprocessados no hospital (em áreas de assistência ao paciente, áreas especiais ou processamento central). Dessa forma, toda a equipe que processa os instrumentos contaminados deve usar os equipamentos de proteção individual (EPIs), incluindo aventais, luvas e proteção para rosto e olhos, e deve receber treinamento adequado sobre as técnicas de limpeza. Os itens com partes removíveis devem ser desmontados, e é necessário ter cuidado para garantir que todas as partes sejam mantidas juntas a fim de permitir a remontagem correta.

Os equipamentos médico-hospitalares podem ser limpos manualmente ou com equipamento de limpeza automatizado; entretanto, a limpeza automática é o método preferido. A limpeza manual envolve o uso de um detergente com pH neutro e fricção na superfície do item para remover os detritos.Embora consuma mais tempo do que os métodos automáticos, ela é usada com frequência em objetos delicados ou de limpeza difícil que não podem ser processados por sistemas automáticos.

A limpeza automática envolve equipamentos ou sistemas que automaticamente processam itens contaminados, como, por exemplo, máquinas ultrassônicas, lavadoras descontaminadoras, desinfectoras e esterilizantes. O aparelho de ultrassom usa ondas sonoras de alta frequência e alta energia para soltar sujeira e materiais orgânicos de modo que possam ser removidos com facilidade durante o processo de enxague. Nem todos os dispositivos toleram a limpeza com ultrassom, portanto, o usuário deve consultar as instruções do fabricante para determinar a compatibilidade com esse processo de limpeza. Da mesma forma, uma lavadora descontaminadora/lavadora desinfectora limpa e desinfeta por meios térmicos e químicos. As lavadoras esterilizadoras automáticas lavam e enxaguam os itens antes de submetê-los a vapor e calor.Por causa da alta temperatura usada durante a fase de esterilização, qualquer detrito remanescente pode endurecer e aderir ao material.

Tão importante quanto manter os instrumentos de trabalho esterilizados e limpos, é ter produtos de qualidade para auxiliar no trabalho. A Sanders do Brasil, empresa referencia em Biossegurança, oferece as melhores soluções para profissionais que prezam pela qualidade. Tire suas dúvidas sobre os nossos produtos fale com nossos especialistas.

Biossegurança Hospitalar

Biossegurança hospitalar: Por que ela é importante?

biossegurança hospitalar atua em diferentes áreas, prezando por práticas que ajudam a controlar possíveis ameaças, juntamente à divulgação de informações e instruções de execução.

Ela é um assunto que, cada dia mais, deve ser incluído na pauta dos diretores de hospitais e clínicas.

Afinal, trata-se de um conjunto de práticas que reduz os riscos biológicos que, naturalmente, estão relacionados com a rotina hospitalar.

Essas ameaças invisíveis podem estar ligadas a diversos fatores.

Tratando-se do ambiente de hospital, a biossegurança é um aspecto fundamental. Entretanto, mesmo com toda a relevância que o assunto envolve, muitas pessoas envolvidas nesse setor ainda não sabem da sua importância e não seguem suas práticas dentro dos hospitais.

Para entender melhor sobre o assunto e ter um trabalho mais seguro, continue lendo este post e descubra como a biossegurança pode ser um grande diferencial em um hospital. Confira!

Qual é o conceito de biossegurança?

De forma prática, a biossegurança é um conjunto de normas, procedimentos e boas práticas que determinam a segurança de quem trabalha em hospitais, clínicas e postos de saúde.

Logo, ao falarmos sobre o que é biossegurança, é importante ter em mente que seu foco está nos profissionais da área da saúde.

No entanto, também preza pelo meio ambiente, sociedade, bem-estar e redução de riscos de pacientes, uma vez que ignorar essas medidas pode ocasionar problemas públicos, como epidemias.

Em relação às instituições e seus integrantes, a biossegurança cuida de:

Instalações e infraestrutura adequadas;

Boas práticas em hospitais e laboratórios;

Exposição de profissionais a agentes biológicos;

Qualificação e treinamento de equipe.

Trata-se de regras que toda a equipe do hospital deve seguir, buscando reduzir ou prevenir acidentes que possam prejudicar a saúde das pessoas e dos seus próximos.

Entre os principais acidentes, podemos destacar a contaminação por agentes biológicos e a contração de doenças.

Na área de biossegurança hospitalar, há dois fatores que andam de mãos dadas: a necessidade de utilização de EPIs e EPCs.

São equipamentos que garantem a segurança e a integridade dos colaboradores — além de proteger quem utiliza o hospital, bem como aqueles que os profissionais atendem.

Por que ela é importante para meu hospital?

Como falamos, o ambiente de hospital tem um grande potencial para causar danos à saúde das pessoas, principalmente dos seus profissionais. Com uma grande exposição a vírus, bactérias e outros agentes patogênicos, é bom saber como se proteger, e é aqui que a biossegurança entra: preocupando-se com as instalações dos laboratórios, treinando a equipe e criando medidas para proteger todos os envolvidos.

Vale lembrar que essa é uma medida que previne a saúde dos pacientes, dos funcionários e do restante da população, já que, sem a biossegurança, uma simples doença poderia facilmente se tornar uma epidemia.

É a biossegurança que prevê a lavagem das mãos antes de qualquer atendimento, do preparo ou contato com algum paciente, por exemplo. Pode parecer um hábito simples demais, mas ele pode prevenir muitas doenças e complicações. Os profissionais das áreas de saúde também usam equipamentos importantes, como os jalecos e aventais, que também são fundamentais nesse sentido.

Qual o objetivo da biossegurança hospitalar?

biossegurança hospitalar tem um papel crucial no treinamento de equipes e na infraestrutura de todo ambiente.

Afinal, hospitais podem ser ambientes que abrigam vírus, bactérias e outros agentes bastante nocivos à saúde das pessoas, especialmente a dos profissionais.

Além disso, instrumentos médicos cortantes também podem ser fatores de risco, e por isso, colocam em alerta os profissionais em relação aos cuidados para não comprometer a segurança dos colegas e pacientes.

Práticas como a administração da farmácia hospitalar, a higienização das mãos e o descarte correto de materiais podem parecer óbvias, mas é preciso atenção.

Se esses cuidados não forem reforçados e tratados com rigor, as consequências podem ser desastrosas para a saúde de médicos, enfermeiros e pacientes.

Vale lembrar que a biossegurança nas ações de saúde vai além, chegando aos cuidados com objetos pessoais dos profissionais de saúde, como aventais, jalecos e estetoscópios, por exemplo.

Além disso, equipamentos utilizados no atendimento aos pacientes não devem ser expostos a situações fora do ambiente hospitalar/laboratorial.

Por isso, abaixo, você pode conferir alguns dos pontos cruciais por trás da aplicação de uma boa estratégia de biossegurança.

Minimizar riscos

A implementação de normas de biossegurança auxilia, principalmente, a minimizar os  riscos biológicos que circulam dentro do ambiente hospitalar.

Afinal, trata-se de um local onde há uma grande circulação de pessoas enfermas, que podem disseminar vírus ou bactérias.

Os agentes de saúde, nessa dinâmica, podem ser  suscetíveis aos seus efeitos, como também servir de “transporte” para o contágio de terceiros.

Portanto, o uso contínuo de EPIs e EPCs é uma prática que deve ser exercida, exigida e fiscalizada.

Proteger o profissional 

O profissional é quase um escudo dentro do ambiente hospitalar.

Com o nível correto de proteção e cuidados, bem como de práticas de gestão da biossegurança, é possível proteger o profissional.

Aqui, além dos equipamentos, é necessário desenvolver e aplicar treinamentos aos colaboradores, bem como revisar as instalações, observando brechas para contaminações.

Garantir a saúde da população

A biossegurança dentro do hospital ou clínica garante que nenhum agente patológico saia pelas portas do estabelecimento e se espalhe pela população.

Esse é um dos grandes objetivos da sua aplicação, que visa realmente servir de braço forte da manutenção da saúde pública.

Casos como os recentes, envolvendo o novo coronavírus, mostram essa importância.

Preservação do meio ambiente 

Por fim, é preciso observar que a implementação de uma boa estratégia de biossegurança visa também à preservação do meio ambiente.

O hospital é um estabelecimento que lida com várias substâncias tóxicas e potencialmente perigosas ao meio ambiente (representando ameaças à fauna e flora).

Por isso, os métodos de segurança tanto ao manipular essas substâncias, como ao armazená-las e descartá-las, deve ser eficiente e extremamente seguro.

Quais são os itens de proteção que fazem parte das medidas de biossegurança?

A biossegurança pode ser dividida em duas formas de proteção:

Equipamento de proteção individual (EPI) e Equipamento de proteção coletiva (EPC).

Dispositivos como EPI e EPC são os responsáveis por garantir a segurança, a integridade, a saúde e o bem-estar de profissionais e pacientes no ambiente hospitalar.

Em relação à proteção individual, alguns itens se destacam como luvas, óculos, mascaras jalecos.

Já os EPCs são equipamentos de proteção coletiva. Ou seja, pensados para a segurança de toda equipe, por exemplo, as autoclaves, Cabines de segurança, Chuveiro de emergência / Lava olhos.

Conclusão

A prevenção de acidentes e o cuidado com a segurança em hospitais e laboratórios devem ser prioridade nas instituições de saúde.

Todas as pessoas envolvidas em processos dessa natureza devem estar cientes da importância da utilização de todas as práticas e os equipamentos voltados à proteção de colaboradores e pacientes. A Sanders do Brasil é uma empresa 100% brasileira e destaca-se no combate e controle de infecções hospitalares fabricando equipamentos de alta qualidade, entre em contato com nossa equipe e conheça.

As infecções hospitalares podem apresentar sazonalidade?

As infecções hospitalares podem apresentar sazonalidade?

Há muito se afirma que as infecções hospitalares não se relacionam com mudanças climáticas. Este estudo pode ter colocado em cheque este paradigma?

Pode o clima impactar no risco de infecções de sítio cirúrgico?

O impacto do clima e estações nas infecções associadas à assistência à saúde foi recentemente sugerido por alguns estudos. Esse achado acrescentou novos determinantes para a epidemiologia das IRAS, com possíveis implicações para a prevenção e controle de infecções. No entanto, a maioria dos estudos realizados até o momento que abordam essa associação foram realizados em hospitais localizados em regiões com clima temperado. O que já se sabe é o fato de haver uma maior incidência de infecções gram-negativas associadas à proximidade do equador, onde as temperaturas são maiores.

Como o estudo foi desenvolvido?

O estudo foi realizado em um hospital de ensino, de grande porte, localizado no interior do Estado de São Paulo, Brasil, no período 2011-2016. Na instituição, há controle do clima nas salas cirúrgicas e unidades de tratamento intensivo. Dados demográficos, tempo de admissão à cirurgia, classificação da ferida e especialidade cirúrgica foram registrados. A temperatura média diária e a umidade relativa, assim como a precipitação, foram coletadas. Os dados sobre ISC, tanto no hospital quanto após a alta, foram obtidos por meio de vigilância ativa. A partir de 36.429 pacientes pesquisados de 13 diferentes especialidades cirúrgicas, obteve-se uma incidência geral de ISC de 8,4%.

Mas há realmente relação entre clima e temperatura no risco de infecções de sítio cirúrgico?

No estudo realizado, houve um aumento no risco individual de ISC associado com temperatura e umidade médias no dia em que a cirurgia foi realizada. Não houve maior incidência de ISC em meses ou estações específicas. O efeito da temperatura foi mais concentrado em procedimentos de ferida limpa (P = 0,03), a associação com umidade alcançou significância marginal para feridas potencialmente contaminadas (P = 0,05). No geral, o impacto da temperatura no risco de ISC aumentou quando os valores foram dicotomizados nos percentis 75 (P = 0,02) e 90 (P = 0, 005). Encontrou-se um aumento de 1,3% no risco individual de ISC por cada grau celsius de aumento da temperatura média no dia em que a cirurgia foi realizada. Esse aumento chegou a quase 20% quando a temperatura era maior que 24,7°C.

O que ainda precisa ser elucidado?

Várias dúvidas permanecem sobre os mecanismos subjacentes à associação entre verão (ou altas temperaturas) e ISC. Correlações tem sido feitas à cerca de uma maior incidência de infecções da pele e tecidos moles durante períodos mais quentes e mais úmidos. Aumentos na população bacteriana, contato pele a pele, ruptura do tegumento e feridas traumáticas durante o verão tem sido descritos.

Um estudo americano sugere que a transpiração excessiva associado a higiene ineficiente da pele tem ocorrência mais provável durante o verão, podendo ocasionar maior risco de infecção. Mudanças na microbiota da pele desempenham papel importante no aumento do risco de ISC. No entanto, a tendência para uma associação entre maior umidade, incluindo chuvas, e infecção em feridas limpas e contaminadas permanece intrigante.

O que os autores concluíram?

Em conclusão, encontrou-se uma associação consistente entre temperatura e risco individual de ISC. Essa associação se concentrou em procedimentos de ferida limpa e foi especialmente forte para valores extremos de temperatura. De qualquer forma o estudo necessita ser confirmado em outras instituições, mas apresenta indícios para mudanças em paradigmas importantes na epidemiologia das infecções hospitalares.

Fonte:  CCIH

Papel do enfermeiro na CME

Os desafios do Enfermeiro na CME

Quando pensamos na Central de Material e Esterilização, logo nos vem à cabeça a imagem desse especialista competente, capaz de aplicar os conhecimentos corretos para que os processos aconteçam de forma segura, eficiente e com qualidade: O enfermeiro.

Ao longo das décadas, o bom desempenho das Centrais de Materiais e Esterilização (CMEs) tem sido estratégico à engrenagem de toda cadeia produtiva da unidade hospitalar. Elas são elementares à realização dos principais procedimentos médicos dentro do hospital, desde os mais simples aos mais complexos. Quando funcionam bem, seus benefícios não passam de obrigações em nome da segurança e da qualidade. Porém, quando apresentam problemas operacionais, o que se vê como resultado é um emaranhado de consequências que afetam diretamente a qualidade da assistência prestada pelo estabelecimento. O desenvolvimento da Central de Material e Esterilização (CME) está relacionado com a transformação do hospital como local de intervenções no corpo biológico, principalmente as cirurgias.

Garantir a qualidade e a segurança do processamento de materiais utilizados na assistência hospitalar representa um dos pilares do controle e da prevenção de infecções. Com o passar dos anos, as CMEs foram ganhando importância devido à própria evolução da Medicina, que ampliou consideravelmente o leque de procedimentos cirúrgicos, diagnósticos e terapêuticos. O aumento na demanda e da complexidade de cirurgias passou a exigir a devida esterilização de um grande arsenal de instrumentos. Além disso, outros fatores contribuíram para as transformações pelas quais vêm passando as CMEs, a exemplo das evoluções tecnológicas dos instrumentos, que incorporaram materiais de diferentes tipos; as mudanças na legislação, com a adequação da RDC 15 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que passou a estabelecer condições físicas de funcionamento dessas centrais; até as boas práticas do ambiente, atreladas a metas gerenciais e de segurança.

Essas transformações têm exigido um olhar mais criterioso por parte das administrações hospitalares. A CME é uma unidade de apoio técnico dentro do estabelecimento de saúde destinada a receber material considerado sujo e contaminado, descontaminá-los, prepará-los e esterilizá-los, bem como, preparar e esterilizar as roupas limpas oriundas da lavanderia e armazenar esses artigos para futura distribuição.

A seguir, você compreenderá mais sobre qual é a real função do enfermeiro na CME e também conhecerá uma alternativa para que o processamento dos artigos de seu hospital ou clínica aconteça de forma impecável. Acompanhe!

A atuação do enfermeiro no central de material e esterilização

Na Central de Material e Esterilização, a atividade de gerenciamento é a principal adotada pelo enfermeiro, podemos defini-lo como de extrema responsabilidade, o funcionamento adequado tem como base a gerência do processo e medidas de previsão e provisão de recursos.

Partindo do princípio que o preparo de materiais é fundamental à prática assistencial da Enfermagem e da Medicina, devendo ser feito com todo o cuidado e profissionalismo possíveis. Portanto, o enfermeiro, durante o processamento, assume diversas funções, como:

  • administração do setor;
  • desenvolvimento de atividades técnico-assistenciais;
  • controle de rotina dos métodos esterilizantes;
  • gestão do capital humano.

Cabe aos Enfermeiros responsáveis por Centro de Material e Esterilização (CME), ou por empresa processadora de produtos para saúde: a participação, coordenação, execução, supervisão e avaliação de todas as etapas do processamento de produtos para saúde. Pode-se inferir a relevância do estímulo pela busca do conhecimento acerca da atuação do enfermeiro na CME, compreendendo o perfil dos trabalhadores e as suas respectivas funções no processamento dos materiais de saúde.

Realizar o gerenciamento adequado da CME é a base para garantir a segurança da esterilização e um bom atendimento aos pacientes. Por isso, o enfermeiro é um profissional indispensável na área.

Como é a rotina do enfermeiro na CME?

A primeira atividade é o recebimento de materiais não limpos e contaminados. A partir disso, o enfermeiro gerencia o processo, distribuindo as funções para a sua equipe, e, então, inicia a esterilização. Cabe a esses profissionais responsáveis a coordenação, a execução, a supervisão, a rastreabilidade e a avaliação de todas as etapas.

Esse preparo de materiais deve ser realizado com muito cuidado e profissionalismo, afinal, estamos lidando com a saúde de milhares de pessoas. Portanto, o enfermeiro é essencial e assume diversas funções, como:

  • É o responsável pelo fornecimento de material esterilizado a todo hospital/clínica;
  • Promove a interação entre os setores;
  • Adapta as condições ambientais às necessidades do trabalho na CME;
  • Planeja e implementa treinamentos que atendam às necessidades da área;
  • Promove o envolvimento e o compromisso de toda a equipe;
  • Favorece o bom relacionamento entre os membros da equipe;
  • Providencia materiais e equipamentos que atendam às necessidades do trabalho na CME.

Como garantir a qualidade no processamento e na esterilização?

Invista em uma empresa especializada e em equipamentos de qualidade. Assim, você terá certeza de que o serviço seguiu altos padrões de qualidade e os materiais estão totalmente prontos para a reutilização.

Sanders do Brasil, durante seus 18 anos, sempre prezou pela segurança, pelo respeito irrestrito à legislação, e pela excelência na qualidade hospitalar. Os seus  equipamentos contribuem significativamente para que os estabelecimentos de saúde cumpram a nobre função de salvar vidas.

O nossos especialistas estão prontos para oferecer o melhor para o seu hospital ou clínica. Fale conosco!

CME: Embalagem, Esterilização e Armazenagem

Para garantir a qualidade do processo de esterilização, são necessárias medidas que evitem a recontaminação do artigo após o processamento, seja no armazenamento, transporte ou durante a manipulação. Por esse motivo, torna-se necessário o conhecimento, pelos profissionais que atuam no centro de material e esterilização (CME), da diversidade de embalagens disponíveis no mercado e na utilização apropriada das mesmas, uma vez que, qualquer falha ocorrida no processamento dos artigos pode acarretar ônus ao paciente, à instituição e a à equipe multiprofissional, pois a qualidade do material distribuído, está diretamente relacionada com a qualidade da assistência prestada.

A autoclavagem é um tratamento térmico muito utilizado nos serviços de saúde para esterilização de materiais. Nesse processo o material contaminado (previamente lavado e embalado) é submetido a uma temperatura elevada durante um período de tempo suficiente para destruir todos os agentes patogênicos, por meio do contato com vapor de água sob pressão. O papel grau cirúrgico é o material mais usado nos CME’s para embalar os produtos a serem esterilizados. Tal embalagem desempenha um importante papel na corrente de proteção dos profissionais e pacientes.

Tipos de Embalagens para Esterilização de Materiais Hospitalares

Dependendo do tipo de uso, armazenagem e transporte, um artigo esterilizado deve ser embalado em uma ou mais camadas de embalagem: Pode ser embalagem primária, secundária e de transporte. A qualidade da esterilização do material embalado tem relação direta com a qualidade da autoclave que a equipe profissional utiliza no CME.

Papel Kraft

O uso do papel kraft como embalagem para esterilização é proibido pela Anvisa, segundo a RDC15/2002.

Além de apresentar inconstância na gramatura, microfuros, não suportar umidade e ter efeito memória, o material contém amido, corante e produtos tóxicos. Isso pode prejudicar a saúde dos profissionais que manuseiam o produto na hora da selagem do papel.

Portanto, o uso deste material na Central de Material e Esterilização (CME) deve ser descartado.

Brim (algodão)

Difundido ainda hoje em muitos hospitais, o uso do tecido de algodão para esterilização é visto como uma alternativa mais barata entre muitos compradores e enfermeiros. No entanto, é bom lembrar que devem ser colocados na ponta do lápis os gastos com a lavanderia (água, sabão, energia), além da mão de obra empregada no processo para poder reutilizá-lo. Afinal de contas, os funcionários poderiam dedicar este tempo para executar outras tarefas.

Vale lembrar também que o algodão não resiste à umidade e possui baixa barreira antimicrobiana (34%), aumentando o risco de infecções hospitalares. A cada nova lavagem, as fibras se desgastam, e o monitoramento de reutilizações pode ser complicado para o hospital.

Papel Crepado para esterilização

O papel crepado possui baixa resistência à tração, podendo furar ou rasgar com facilidade. O material possui efeito memória (pouco maleável), dificultando o manuseio e a abertura asséptica.

Não é compatível com Plasma de Peróxido de Hidrogênio.

Papel Grau Cirúrgico

O papel grau cirúrgico é o material mais usado nos CME’s para embalagem de produtos a esterilizar na autoclave, e um dos elos da corrente de proteção dos profissionais e pacientes. Normalmente apresentado em forma de rolo, é composto de uma lâmina plástica termo resistente e outra de SMS (spunbond-meltblown-spunbond) ambas fundidas lateralmente, onde se encontram indicadores químicos que mostram quando foi submetido ao calor e pressão de autoclave. 

Outros tipos de papel não são recomendados para embalar materiais a esterilizar em autoclaves sob calor, vapor e pressão. Mesmo o papel grau cirúrgico precisa ser autorizado pela ANVISA, pois há de ter porosidade controlada e seguir as normas oficiais de segurança e qualidade. Recomenda-se atenção no ato da aquisição do papel grau cirúrgico.

Conheça as autoclaves da Sanders do Brasil.

Tecido SMS para esterilização

O SMS é um tecido-não-tecido 100% polipropileno. É considerado o material para esterilização mais completo, uma vez que possui alta barreira contra microrganismos, é compatível com todos os processos gasosos e a vapor e tem alta resistência contra rasgos e furos.

É maleável, repele líquidos e  permite a penetração do agente esterilizante.

O SMS também possui tempo de validade extenso, podendo a chegar até 6 meses dependendo das condições de armazenamento.

O material é composto por três camadas:
Spunbond: duas lâminas externas que garantem a resistência e durabilidade do material.
Meltblown: uma lâmina interna que forma uma barreira efetiva contra bactérias e líquidos.

ESTERILIZAÇÃO

Com o material limpo e embalado adequadamente, e todos os cuidados tomados, chega o momento de autoclavar.

O processo de autoclavagem consiste em manter o material contaminado em contato com um vapor de água sob pressão, em temperatura elevada, garantindo-se condições de alta temperatura (entre 105 e 150°C) por um período de tempo suficiente para matar todos os micro-organismos.

Os períodos de exposição para esterilização a vapor variam com o tamanho, formato, peso, densidade e composição do material do dispositivo a ser esterilizado, entre outros fatores.

Nesse processo o material contaminado (previamente lavado e embalado) é submetido a uma temperatura elevada durante um período de tempo suficiente para destruir todos os agentes patogênicos, por meio do contato com vapor de água sob pressão. O papel grau cirúrgico é o material mais usado nos CME’s para embalar os produtos a serem esterilizados. Tal embalagem desempenha um importante papel na corrente de proteção dos profissionais e pacientes.

ARMAZENAGEM

A armazenagem de produtos hospitalares requer atenção especial em qualquer lugar. O local para armazenagem segue critérios definidos pela ANVISA e sua Resolução RDC 15, de março de 2020.

Este tipo de material demanda cuidados específicos, e qualquer erro, por menor que possa parecer, pode acarretar em perda do material ou de sua utilidade.

Afinal, todo produto médico contém uma série de normas e cuidados e a armazenagem de materiais hospitalares deve ser feita de forma responsável.

Em relação ao prazo de validade, a ANVISA nessa resolução coloca como sendo a data limite de uso do produto esterilizado: prazo estabelecido em cada instituição, baseado em um plano de avaliação da integridade das embalagens, fundamentado na resistência das embalagens, eventos relacionados ao seu manuseio (estocagem em gavetas, empilhamento de pacotes, dobras das embalagens), condições de umidade e temperatura, segurança da selagem e rotatividade do estoque armazenado.

Isso facilita bastante, mas todos os cuidados devem ser tomados para garantir um bom acondicionamento, como:

  1. O transporte do CME até a sala de armazenagem deve ser feito em suportes adequados para a manipulação reduzir-se ao mínimo e o mais segura possível.
  2. As prateleiras devem ser feitas de material não poroso, resistente a limpezas úmidas e a produtos saneantes.
  3. Os nichos devem ser arejados, em local seco e com luminosidade controlada.
  4. O armazenamento deve privilegiar a leitura das etiquetas com datação e identidade das coleções esterilizadas.
  5. O material deve circular o mínimo possível até o local de armazenagem e deste até a sala de atendimento.

No Brasil as condições de armazenamento representam o maior desafio por causa das grandes diferenças de temperatura e umidade. A qualidade da esterilização do material embalado tem relação direta com a qualidade da autoclave que a equipe profissional utiliza no CME. O Investimento em biossegurança sempre tem alto retorno para médio e longo prazo.

A Sanders do Brasil é referencia na fabricação de equipamentos e soluções para CME, fale com nossos especialistas e conheça nossos produtos.

Coronavírus e a CME: Perguntas e respostas

CME e o Coronavírus: Perguntas e respostas

O coronavírus (Covid-19) tem gerado preocupação em pessoas de todo o planeta, Em 2020 ano em que foi comemorado o bicentenário de nascimento de Florence Nightingale, ficamos diante de mais um momento marcante para a humanidade: uma pandemia.

A falta de informação atinge todos os setores e todas as atividades da sociedade. No ambiente hospitalar, que lida de forma mais direta com o vírus, não poderia ser diferente. Os profissionais de Enfermagem tiveram bem pouco tempo para celebrar o ano que a eles foi destinado pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Reunimos as perguntas e respostas mais relevantes no que se refere ao coronavírus e Qual o impacto da pandemia COVID-19 na CME.

1. QUAL O IMPACTO DA PANDEMIA COVID-19 NA CME? A princípio, os processos não seriam modificados. No entanto, é fundamental destacar que, pelas características da infecção, há um aumento de uso dos Produtos Para a Saúde (PPS) utilizados no suporte ventilatório. Isto porque no cenário hospitalar são internados os pacientes com quadros mais graves que requerem leitos de terapia intensiva. Os PPS para suporte ventilatório, por sua conformação e características físicas, podem dispersar partículas e aerossóis especialmente durante a fase de limpeza manual.

2. COMO IMPEDIR A PROPAGAÇÃO DA COVID-19 NA CME? As Precauções Padrão (PP) enfatizam o uso de EPI, com base no risco avaliado de exposição ao sangue e outros fluidos potencialmente infecciosos e a higiene das mãos. Elas representam uma filosofia que assume que todos os pacientes são potencialmente infecciosos. Precauções Padrão se aplicam a todos os fluidos corporais, secreções e excreções (exceto suor), pele não intacta e membranas mucosas. Podem ser necessárias Precauções baseadas na Transmissão para impedir a propagação de doenças específicas que são transmitidas por contato, gotículas e transmissão pelo ar. Quando necessário, as precauções baseadas na transmissão complementam as PP.

3. PODE-SE ADAPTAR A PRECAUÇÃO BASEADA NA TRANSMISSÃO PARA A CME? Sim. A transmissão de agentes infecciosos em um ambiente de saúde requer três elementos: uma fonte (ou reservatório) de agentes infecciosos, um hospedeiro suscetível como porta de entrada ao agente e um modo de transmissão para o agente. No ambiente da CME, podem ser distinguidos esses três elementos.

4. COMO DEVE SER FEITO O CONTROLE DO TRÁFEGO? O padrão ideal seria o fluxo único e unidirecional, no qual a circulação da área crítica não cruze com as demais áreas. Observar a paramentação adequada. Caso não haja banheiro na área crítica, os EPIs devem ser retirados obedecendo à técnica adequada e o servidor deverá dirigir-se imediatamente ao banheiro mais próximo da área para tomar banho.

5. QUAIS SÃO OS PPS ENVOLVIDOS NA ASSISTÊNCIA AO PACIENTE COM COVID-19 PROCESSADOS PELA CME? Além dos PPS habitualmente utilizados nos pacientes internados, se destacam itens como circuitos ventilatórios, máscaras, nebulizadores, umidificadores, inaladores, copos umidificadores, ressuscitadores manuais, conectores, traqueias, demais acessórios utilizados na assistência ventilatória.

6. QUAIS SÃO OS CUIDADOS NO TRANSPORTE DO PPS CONTAMINADO PARA A CME? Os Produtos Para Saúde contaminados devem ser manuseados de modo a reduzir o risco de exposição e/ou lesão para a equipe profissional e clientes/pacientes/residentes ou contaminação de superfícies ambientais; devem ser transportados para a área designada para descontaminação assim que possível após o uso, em recipientes cobertos, hermeticamente fechados, resistentes à perfuração, a fim de prevenir o extravasamento de líquidos. Os recipientes incluem bandejas, carrinhos, sacos impermeáveis (materiais que não sejam perfuro cortantes). Recomenda-se recipientes rígidos.

7. COMO DEVO PROCEDER COM A CHEGADA DO PPS CONTAMINADO NA CME? Adotar as Precauções Padrão (PP), utilizar o EPI adequado: avental impermeável de manga longa, máscara N95, óculos ou protetor facial, luvas emborrachadas de cano alto, calçados impermeáveis e fechados. O uso de EPI é imprescindível, haja vista que o vírus pode permanecer viável e infeccioso em aerossóis por horas e em superfícies por dias.

8. COMO REALIZAR O PROCESSAMENTO DO PPS PARA OS CASOS DE COVID-19? Os PPS devem seguir rigorosamente etapas de processamento conforme boas práticas e legislações vigentes. Os processos que geram aerossóis deverão ser evitados. Vaporizadores, também denominados steamers deverão ser evitados. Os métodos preferenciais incluem a limpeza e a desinfecção em termodesinfectadoras.

9. A PRÉ-LIMPEZA É RECOMENDADA NA SITUAÇÃO DE COVID-19? A pré-limpeza é o primeiro tratamento a ser realizado nos produtos para saúde para diminuir a população de microrganismos e facilitar a limpeza subsequente. É imperativo evitar a secagem da sujidade no PPS. A pré-limpeza deverá ser realizada o mais rápido possível após o uso, o mais próximo do local de uso, antes da limpeza, de acordo com procedimento aprovado pela CME, a fim de proteger o pessoal do manuseio dos PPs e o ambiente.

 10. COMO REALIZAR A LIMPEZA MANUAL DO PPS? Utilizar EPI. Retirar os artigos dos recipientes de transporte, descartar sacos plásticos impermeáveis, limpar e desinfetar o recipiente rígido que irá ser reutilizado. Seguir rigorosamente as instruções para diluição mínima e tempo de contato quanto ao uso de detergentes. Imergir o material contaminado na cuba. Aguardar tempo de contato para a ação detergente. Retirar o material e enxaguar removendo todo residual de detergente. Artigos que requerem escovação, esta deve ser realizada de forma a minimizar ao máximo a geração de aerossóis e respingos. Após, realizar o enxágue, em água corrente, secar os materiais e encaminhar para etapa de desinfecção. Todos os acessórios utilizados no processo de limpeza, como as escovas, devem ser de preferência de uso único. Na impossibilidade de descarte, devem ser lavados e desinfetados. RDC Anvisa no 15/2012 art. 68. O enxágue dos produtos para a saúde deve ser realizado com água que atenda aos padrões de potabilidade definidos em normatização específica.

11. QUAIS AS OPÇÕES PARA REALIZAR A DESINFECÇÃO DE PPS RESPIRATÓRIOS? As opções estão diretamente relacionadas às características dos PPS e dos equipamentos disponíveis na CME. Para os PPS resistentes ao calor, se indica a termodesinfecção. Na ausência de um equipamento para este fim e para produtos termossensíveis, deve-se proceder a desinfecção química.

12. QUAIS AS ORIENTAÇÕES PARA REALIZAR A DESINFECÇÃO DE ALTO NÍVEL DE PPS RESPIRATÓRIOS? Para os artigos semicríticos, conforme informações do Centro de Controle de Doenças e, por se tratar de uma pandemia, forneça, no mínimo, a desinfecção de alto nível. Estão entre estes artigos semicríticos: endoscópios gastrointestinais, tubos endotraqueais, circuitos respiratórios de anestesia e equipamentos de terapia respiratória que entram em contato com membranas, mucosas ou a pele não intacta. Os produtos eficazes na inativação do vírus podem ser determinados com base nos dados associados à inativação de vírus semelhantes ou mais resistentes (ou seja, mais difíceis de inativar). O SARS-CoV-2 é um coronavírus, altamente suscetível, inativado por muitos desinfetantes comumente usados. São exemplos de princípios ativos de desinfetantes de alto nível: ácido peracético, peróxido de hidrogênio entre outros.

13. COMO REALIZAR A DESINFECÇÃO MANUAL DO PPS? Utilizar EPI, conforme orientação do fabricante do desinfetante. Respeitar rigorosamente as instruções de preparo e o tempo de contato validado pelo fabricante. Imergir o material, devidamente limpo e seco, por completo no desinfetante de alto nível. Preencher lumens e 19 canais com a solução desinfetante. Aguardar tempo de contato definido pelo fabricante. Retirar o material da cuba com luvas limpas. Enxaguar em água corrente para retirar todo residual do desinfetante.

14. COMO PROCESSAR LÂMINAS E CABOS DE LARINGOSCÓPIOS? As lâminas e cabos de laringoscópio são artigos semicríticos. As membranas mucosas intactas, como as dos pulmões e do trato gastrointestinal, geralmente são resistentes à infecção por esporos bacterianos comuns, mas suscetíveis a outros organismos, como bactérias, micobactéria e vírus. Portanto, esses dispositivos devem estar livres de todos os microrganismos, com exceção de um pequeno número de esporos bacterianos. Considerando os riscos de contaminação também do cabo do laringoscópio, deve-se priorizar os processos desinfecção de alto nível ou esterilização após o uso em cada paciente. Inicialmente, verificar as instruções de limpeza e desinfecção do fabricante do artigo. Destacar a lâmina da guia. Retirar as pilhas/baterias da guia. Aguardar o resfriamento da lâmpada. Lavar com solução enzimática cabo e lâmina. Proceder a escovação. Enxaguar e secar. Encaminhar para desinfecção de alto nível/esterilização. Avaliar a compatibilidade dos desinfetantes com o material. Enxaguar e embalar adequadamente para o transporte. Após a desinfecção, atenção e cuidado para não contaminar os itens desinfetados no processo.

15. QUAIS SÃO AS OPÇÕES PARA REALIZAR A ESTERILIZAÇÃO DE PPS RESPIRATÓRIOS? Considere os aspectos de compatibilidade entre o produto e o agente esterilizante. Escolha o processo de esterilização mais adequado (vapor saturado sob pressão, esterilização a baixa temperatura por peróxido de hidrogênio ou óxido de etileno).

16. O AR COMPRIMIDO PODE CONTAMINAR OS PRODUTOS PARA SAÚDE? Sim. O ar comprimido deve ter característica medicinal. A qualidade do ar comprimido utilizado no tratamento de Produtos Para Saúde deve ser determinada e controlada, pois pode haver a presença de partículas, água e óleo. O ar medicinal deve ser filtrado. Valor máximo da contaminação microbiológica do ar medicinal é de 100 UFC/m3 . A RDC no 15/2012 art. 69 estabelece que o CME Classe II e a empresa processadora devem utilizar pistola de água sob pressão para limpeza manual de produtos com lúmen e ar comprimido medicinal, gás inerte ou ar filtrado, seco e isento de óleo para secagem dos produtos.

17. POSSO USAR ADEREÇOS E JOIAS NO PROCESSAMENTO DO PPS? Não. Conforme estabelecido na Norma Regulamentadora NR 32, as joias e demais adereços podem abrigar microrganismos e estes podem se depositar nos PPS processados. Relógios de pulso e anéis, em particular, podem enroscar em equipamentos ou instrumentos ferindo pessoas ou danificando o item ou a embalagem. Anéis e alianças são fontes de contaminação que você pode levar para o seu ambiente familiar. Recomenda-se que chegue ao seu local de trabalho sem adereços. O trabalhador da CME e da empresa processadora deve utilizar vestimenta privativa, touca e calçado fechado em todas as áreas técnicas e restritas. Padrão Ideal para o Expurgo: Adorno zero, touca, macacão, protetor facial, luva de procedimento, luva de cano longo ajustável, máscara N95/PFF2, bota impermeável e protetor auricular. O trabalhador deverá estar sem adornos, com roupa privativa, capote impermeável próprio para área crítica, luva de cano longo ajustável, máscara PFF2 e sapato fechado.

18. QUE TIPO DE MÁSCARA OS TRABALHADORES DA CME DEVEM UTILIZAR? Os profissionais de saúde deverão utilizar máscaras N95, FFP2 ou equivalente ao realizar procedimentos geradores de aerossóis. No caso da CME, isto pode ocorrer durante o procedimento de escovação de artigo, steamer e uso de pistolas de ar comprimido. Essa situação se aplica ao setor de expurgo. A ANVISA recomenda que, excepcionalmente, em situações de carência de insumos e para atender a demanda da epidemia da COVID-19, a máscara N95 ou equivalente poderá ser reutilizada pelo mesmo profissional, desde que cumpridos passos obrigatórios para a retirada da máscara sem a contaminação do seu interior. Com objetivo de minimizar a contaminação da máscara N95 ou equivalente, se houver disponibilidade, pode ser usado um protetor facial (face shield). Se a máscara estiver íntegra, limpa e seca, pode ser usada várias vezes durante o mesmo plantão pelo mesmo profissional até 12 horas ou conforme definido pela Comissão de Controle de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde (CCIRAS) da instituição.

19. QUAL A DIFERENÇA ENTRE AS MÁSCARAS CIRÚRGICAS E RESPIRADORES N95 E A FFP2? As máscaras são barreiras de uso individual que cobrem nariz e boca. A máscara cirúrgica é indicada para proteger o trabalhador da saúde de infecções por inalação de gotículas transmitidas a curta distância e pela projeção de sangue ou outros fluidos corpóreos que possam atingir suas vias respiratórias. A máscara cirúrgica não protege adequadamente o usuário em relação a patologias transmitidas por aerossóis. A máscara N95 ou FFP2 é indicada para os profissionais expostos a contaminados nos quais pode ocorrer a propagação de agentes contaminantes por meio de aerossóis. A capacidade de filtração e de resistência a materiais particulados chega a ser de 95% de eficiência para partículas maiores de 0,3µm.

20. QUAIS OS CUIDADOS QUE DEVO TER NA UTILIZAÇÃO DE MÁSCARAS? Coloque a máscara cuidadosamente para cobrir a boca e o nariz, e ajuste com segurança para minimizar os espaços entre a face e a máscara. Enquanto estiver em uso, evite tocar na máscara. Remova a máscara utilizando a técnica apropriada (ou seja, não toque na frente, remova sempre por trás). Após a remoção ou sempre que tocar inadvertidamente em uma máscara usada, deve-se realizar a higiene das mãos com água e sabão ou álcool gel. Substitua a máscara por uma nova, limpa e seca assim que se tornar úmida ou conforme orientação do fabricante.

21. COMO DEVO FAZER A LIMPEZA DOS ÓCULOS, PROTETORES FACIAIS, BOTAS? Limpar com água e sabão/detergente e desinfecção com hipoclorito de sódio ou outro produto que seja recomendado pelo fabricante do EPI. Priorizar o uso de equipamentos/ materiais descartáveis.

22. QUE PRODUTOS UTILIZAR PARA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DAS SUPERFÍCIES DA CME? A desinfecção pode ser feita com álcool a 70%, hipoclorito de sódio, quaternário de amônio ou outro desinfetante indicado para este fim e seguindo procedimento operacional padrão definido pela instituição. A solução deve ser aplicada rigorosamente conforme orientações do fabricante e deve ser selecionada de acordo com o tipo de superfície a ser limpa (compatibilidade), tipo de sujidade.

23. SOLUÇÃO ALCOÓLICA É INDICADA PARA EVITAR ODOR DE MATÉRIA ORGÂNICA NO PPS? Não. Os PPS não devem ser tratados com nenhum produto químico adicional (álcool, lenços desinfetantes) a menos que especificamente indicado nas instruções de uso (IUF) recomendadas pelos fabricantes. O emprego de soluções alcoólicas na etapa de limpeza é contraindicado haja vista que esta prática pode aumentar a adesão de resíduos à superfície do PPS, devido à desnaturação de proteínas. A fixação de sangue no PPS dificulta o processo de limpeza e desinfecção.

24. A CME PODE PROCESSAR UTENSÍLIOS DO PACIENTE? Idealmente não. Os utensílios do paciente como comadre, papagaio/patinho devem ser higienizados em local fora da CME. Os expurgos das unidades de internação seriam os locais recomendados. O mercado oferece equipamentos para a limpeza de comadres e papagaios/patinhos. Os utensílios de uso do paciente podem ser processados em lavadora específica conforme norma técnica e valores de tempo e temperatura. A0 = 60 (1 min 80°C).

25. O QUE FAZER COM AS COMADRES E PAPAGAIOS/PATINHOS? Os enfermeiros da CME, juntamente com os enfermeiros da Comissão de Controle de Infecção Relacionada a Assistência à Saúde e do Comitê de Processamento de Produtos para a Saúde devem definir como realizar o processamento desses utensílios.

26. UTILIZO TECIDO DE ALGODÃO PARA EMBALAGEM. ALGUM RISCO? O algodão é utilizado como embalagem em muitos hospitais brasileiros. No caso de doenças como o coronavírus recomenda-se manusear roupas e tecidos com o mínimo da agitação. Essa recomendação poderá parecer mais adequada ao cuidado direto com o paciente isolado. Porém no cenário das CMEs e dos Centros Cirúrgicos os particulados são igualmente indesejáveis.

RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA ENFERMEIRO GESTOR DE CME

• Reforçar higiene de mãos, antes e após o desenvolvimento das atividades, contato com o material, manusear os insumos, manuseio dos equipamentos, recebimento de materiais consignados;

• Reforçar higienização de equipamentos, bancadas;

• Disponibilizar EPIs necessários para cada etapa do processo;

• Rever rotinas de utilização de EPIs e retirada e processamento de materiais;

• Elaborar treinamentos e manter atualizados os POPs institucionais, de acordo com as mudanças frente à epidemia;

• Prover materiais em quantidades necessárias, evitando desgaste precoce do material e garantindo a funcionalidade deles no momento do uso em períodos de alta demanda;

• Inspecionar os materiais no momento do preparo e embalagem;

• Estar atento para o transporte dos artigos contaminados, prevenindo a contaminação de pele, mucosas e roupas, evitando a transferência de microrganismos para outros ambientes, adotando-se medidas de precaução quanto à coleta, recebimento, manipulação, disponibilizando e utilizando EPIs adequados para cada etapa;

• Planejar cuidadosamente e gerenciar recursos para garantir que haja suprimentos suficientes e trabalhadores experientes durante uma epidemia;

• Lembrar que acelerar os processos pode colocar em risco pacientes e funcionários, com consequências potencialmente perigosas;

• Em uma epidemia é importante estar atento ao aumento de ciclos realizados nos equipamentos, funcionamento e manutenções;

• Manter seus protocolos de monitoramento dos processos e equipamentos de limpeza e esterilização;

• Considerar o desgaste da equipe que poderá facilitar a ocorrência de erros;

• Orientar os profissionais da CME para manterem suas carteiras de vacinação atualizadas;

• Enfatizar os efeitos do processamento repetido de um mesmo PPS. Fissuras e rachaduras podem ser imperceptíveis. A inspeção poderá detectar esse problema;

• Observar quais dispositivos gastos ou danificados podem não ter o desempenho pretendido e podem conter patógenos ocultos;

• Em casos de calamidade como os dias atuais, a aquisição de insumos e equipamentos deve ser agilizada, mas os critérios devem ser mantidos;

• Mantenha a equipe sempre atualizada com as constantes mudanças institucionais;

• Apoiar e envolver a equipe nas mudanças e futuras decisões;

• Diga para você mesma e sua equipe sempre: “somos peças chave no cuidado a todos os pacientes”.

Ainda há muito para aprendermos sobre a transmissibilidade, a gravidade e outros recursos associados ao SARS-CoV-2 e as investigações estão em andamento em todo o mundo. Assim, o conteúdo deste documento pode ser alterado e atualizado à medida que mais informações estiverem disponíveis. Outras informações a respeito do tema podem ser encontradas em documentos específicos no site da Anvisa e do Ministério da Saúde: http://portal.anvisa.gov.br/coronavirus e https://coronavirus.saude.gov.br/, respectivamente.

Fonte: Cofen – RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA ORGANIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE E PREPARO DAS EQUIPES DE ENFERMAGEM

Biossegurança no desenvolvimento de vacinas

Biossegurança no desenvolvimento de vacinas

O desenvolvimento e produção de imunobiológicos (vacinas, biofármacos e imunodiagnóstico), requer uma ampla gama de medidas de biossegurança para garantir a segurança de seus funcionários, do produto final e dos consumidores destes produtos. Neste artigo, abordaremos os principais aspectos da biossegurança nas etapas envolvidas neste processo.

Conheça o processo de produção de novas vacinas

As vacinas são preparadas a partir de bactérias ou vírus modificados em laboratório, de forma a perderem a capacidade de provocar a doença.

A corrida em busca de uma vacina ou vacinas que protejam a população do coronavírus deu visibilidade para um processo complexo que demanda investimento e tempo. Antes que uma vacina possa ser distribuída, ela passa pelas diferentes fases de produção citadas abaixo.

Identificação: Para a vacina, são usados microorganismos inteiros ou partes dele. O antígeno é a parte específica do vírus ou bactéria que as células de defesa reconhecem.

Reprodução: Uma das etapas iniciais é a amplificação do vírus ou bactéria em grandes quantidades. Para a produção de algumas vacinas são utilizados biorreatores, responsáveis por multiplicar os microorganismos.

Purificação: Nesta etapa ocorre a purificação dos componentes da vacina, separando-os dos demais.

Formulação: Consiste na adição de componentes para obter a imunogenicidade ideal, com vista à futura administração.

Experimentos em animais: Inicia-se com camundongos infectados e outros animais. O objetivo nesta etapa é descobrir se a vacina é segura e se estimula adequadamente a resposta imune.

Entre 20 e 100 voluntários: é o primeiro estudo a ser realizado em humanos adultos saudáveis. Os objetivos são avaliar a segurança e a capacidade da vacina em induzir resposta imune.

Centenas de voluntários: avalia-se mais detalhadamente a resposta imune induzida e a segurança da vacina. Já pode ser possível observar se a vacina apresenta alguma eficácia.

Milhares de voluntários: avalia-se a eficácia da formulação no público-alvo, ou seja, semelhante à população que receberá a vacina (por exemplo, bebês para um novo produto infantil).

Oficialização: a aprovação e licenciamento é feita pelos órgãos reguladores. No Brasil é a ANVISA; nos EUA é o FDA (Food and Drug Administration).

Processo Industrial: Uma vez comprovada a eficácia, a vacina passa a ser produzida em escala industrial. Da elaboração à produção, o processo pode demorar até dois anos.

No mercado:  Mesmo após aprovação, a nova vacina continua sendo monitorada, em busca de possíveis reações adversas.

Níveis de biossegurança

Níveis de biossegurança
Níveis de Biossegurança (NB)

Existem quatro Níveis de Biossegurança (NB) definidos pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), designados em ordem crescente pelo grau de proteção proporcionado: NB-1, NB-2, NB-3 e NB-4. O primeiro nível começa com precauções mínimas devido ao baixo risco de biossegurança. A medida de segurança aumenta nos próximos três níveis, proporcionalmente ao risco que os organismos e agentes utilizados oferecem ao operador e ao meio ambiente.

No Brasil não há laboratórios de nível 4 para pesquisas relacionadas a humanos. Devido a complexidade, custos e riscos, há apenas 61 laboratórios NB-4 operando, em diferentes condições, em todo o mundo.

Nível 1 – NB-1: Manipulação de agentes que não causam doenças em seres humanos ou em animais de laboratório. Ex: Saccharomyces cerevisae.

Não há necessidade do laboratório localizar-se em área isolada do edifício

Uso de roupas protetoras, como jaleco e sapatos fechados

Bancadas abertas com pias próximas

Nível 2 – NB-2: Manipulação de agentes capazes de causar doenças em seres humanos ou em animais, mas com baixo risco de disseminação. Ex: Dengue vírus.

O laboratório é separado de outras construções, por uma antessala ou pelo próprio Laboratório NB-1

Barreiras para contenção ao manipular agentes que provoquem aerossóis ou vazamento de materiais infecciosos

Uso de luvas e proteção para o rosto quando necessário

Manual para descontaminação de dejetos ou normas de vigilância médica

Autoclave para esterilizar utensílios e materiais

Barreira Primária

As cabines de segurança biológicas (CSB) são geralmente usadas como contenção primária no trabalho com agentes de risco biológico, minimizando a exposição do operador, do produto e do ambiente.

Autoclave: Aparelho para esterilização. Destrói os agentes patogênicos por meio de temperatura elevada, com vapor de água sob pressão. Conheça as autoclaves da Sanders do Brasil.

Nível 3 – NB-3: Manipulação de agentes capazes de causar doenças em seres humanos ou em animais, com risco de se disseminarem na comunidade.
Ex: coronavírus

Acesso controlado, com portas duplas com fechamento automático

Ar de exaustão não recirculante

Barreiras de contenção usadas para todas as manipulações de agentes

Uso de luvas e proteção respiratória quando necessário

O trabalho deve ser executado em dupla

Descontaminação da roupa usada no laboratório antes de ser lavada

Autoclave de dupla porta

Ar não exaustante

O laboratório deve ter um sistema de ar que não recircule em outras áreas do prédio. O ar deve ser descarregado em áreas livres de construções e de entradas de ar.

Macacão de proteção

A roupa não pode ser usada fora do laboratório. Antes de ser lavada ou descartada deve ser esterilizada e trocada quando contaminada.

Nível 4 – NB-4: Manipulação de agentes que causam doenças graves em humanos ou animais, de fácil transmissão e sem medidas de prevenção ou tratamento. Ex: vírus Ebola

Mudança de roupa antes de entrar, banho de ducha na saída

Ar de exaustão não recirculante

Edifício separado ou área isolada

O material é descontaminado na saída das instalações

Sistemas de abastecimento e escape à vácuo

O trabalho deve ser executado em dupla

Procedimentos conduzidos em cabines de segurança, com macacão com suprimento de ar

Abastecimento e Escape

Os efluentes líquidos devem ser descontaminados, preferencialmente através de tratamento com calor antes de serem jogados no esgoto sanitário.

Macacão com suprimento de ar

São roupas de proteção com ar insuflado, ventiladas por sistema de suporte de vida.

Biossegurança nas salas de vacinação

A biossegurança em serviços de saúde é imprescindível, especialmente nas salas de vacinação, de modo a criar um ambiente de trabalho onde seja promovida a diminuição dos riscos de exposição dos agentes infectantes, para que este risco possa ser minimizado e principalmente eliminado. Por isso é importante que os profissionais que trabalham neste setor, tenham noções sobre a rotina de trabalho, e também sobre o manejo adequado dos imunobiólogicos.

Em um ambiente como a sala de vacinação, comumente se concentram pessoas saudáveis, sem doenças transmissíveis, isto é, os indivíduos que receberão as vacinas. Na maioria dos casos não existe uma comprovação para o uso rotineiro de paramentação especial. De modo que os cuidados padrão utilizados neste tipo de rotina, são suficientes para evitar a ocorrência de exposição a agentes infecciosos e o desenvolvimento de infecção.

Os cuidados padrão, nada mais são, do que um conjunto de medidas que devem ser aplicados em situações de atendimento a pacientes, havendo suspeita ou não de doença transmissível. Esta é uma medida que previne a transmissão de micro-organismos entre profissionais da área da saúde e também para os pacientes. Estas medidas quando são aplicadas de forma correta, protegem o profissional e seus pacientes. Estas medidas são as seguintes:
– Higienização constante e sempre que necessária das mãos;
– Uso de luvas, avental, máscara, óculos e protetor facial;
– Descarte adequado dos resíduos
– Prevenção de acidentes com perfuro cortantes;
– Desinfecção e limpeza das superfícies dos ambientes;

A Norma Regulamentadora 32 (NR-32 – Segurança e saúde no trabalho em serviços de saúde) trouxe um grande avanço para a segurança de todos os profissionais de saúde, assim como todos os envolvidos em atividades da área da saúde, de modo a definir no âmbito legislativo trabalhista, controles de infecção em locais de assistência a saúde.

Laboratório de biossegurança máxima (nível 4) no Brasil

Segundo publicado pela Agência Brasil, no ultimo dia 18 de maio de 2021 o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Marcos Pontes, defendeu a construção de um laboratório de biossegurança máxima (nível 4) no Brasil. De acordo com ele, o local escolhido para a instalação será o Centro Nacional de Pesquisas em Energia e Materiais (CNPEM), em Campinas, no interior do estado de São Paulo. 

“O MCTI está liderando um movimento, junto com outros ministérios, para que possamos construir no país um laboratório de biossegurança máxima, nível 4. Foram feitos vários seminários, encontros, reuniões, e nós vamos construir isso para defender a nossa população”, disse o ministro em visita ao CNPEM nessa segunda-feira (17).

No local, já funcionam quatro laboratórios de tecnologia avançada, o Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS), que opera o Sirius, o mais moderno acelerador de partículas brasileiro; o Laboratório Nacional de Biociências (LNBio); o Laboratório Nacional de Biorrenováveis (LNBR); e o Laboratório Nacional de Nanotecnologia (LNNano).

“O fato de termos um laboratório de biossegurança 4, associado a uma instalação como essa do Sirius, vai nos colocar à frente de muitos países. Já existe muito interesse internacional nas pesquisas que podem ser realizadas”, destacou o ministro.

“O local escolhido para esse laboratório é essa instalação, o CNPEM, o Centro Nacional de Pesquisas em Energia e Materiais. Acho que não preciso nem falar o porquê, com toda essa associação com outras tecnologias aqui”, acrescentou Pontes.

Estruturas com nível 4 de biossegurança são capazes de manipular com segurança vírus e bactérias de alta periculosidade, como o vírus do ebola.

Segundo o Ministério da Defesa, o grupo de trabalho interministerial que trata do assunto atua na elaboração de uma proposta de construção de um laboratório desse porte no Brasil desde agosto de 2020. O grupo terá que apresentar, até o fim de 2021, um relatório à Câmara de Relações Exteriores e Defesa Nacional (Creden) para viabilizar o projeto, associado a uma Política Nacional de Biossegurança e Bioproteção.

Conclusão

Empresas voltadas para a produção de imunobiológicos (vacinas, anticorpos monoclonais e imunodiagnóstico) precisam estabelecer uma ampla gama de medidas de biossegurança, capazes de garantir a segurança de seus funcionários, do público (objetivo final) e do próprio produto nas suas várias etapas.

Os laboratórios de pesquisa devem estar habilitados ao manuseio de patógenos. Podemos destacar os cuidados com o armazenamento/conservação, bem como as condições de crescimento/cultura, cuidados com o manuseio e o descarte do patógeno em questão.

O desenvolvimento de vacinas e testes de imunodiagnóstico inicia em escala laboratorial, onde o objetivo é a demonstração da eficácia do processo em desenvolvimento – para vacinas: a capacidade de impedir o desenvolvimento do patógeno e, para testes de diagnóstico – a capacidade de detectar o patógeno com a maior sensibilidade, especificidade e reprodutibilidade possível.

Durante o scale-up – etapa de escalonamento intermediário,– as normas de biossegurança empregadas devem estar de acordo com o preconizado pelas normas oficiais internacionais, a fim de assegurar que o processo de produção ou o produto final possam ser comercializados em outros países. Esta etapa serve para a produção de lotes do produto que serão utilizados nos testes de validação.

As vacinas representam a estratégia de intervenção com a melhor relação custo-benefício até hoje aplicada em saúde pública. Avanços em biossegurança e biotecnológicos em diversas áreas de pesquisa têm contribuído para o desenvolvimento de formulações mais seguras e eficazes.