Biossegurança E Desinfecção De Materiais De Moldagem E Moldes Para Profissionais De Prótese Dentária – Diferentes Técnicas de Desinfecção

Biossegurança E Desinfecção De Materiais De Moldagem E Moldes Para Profissionais De Prótese Dentária – Diferentes Técnicas de Desinfecção

Da mesma forma que todo paciente que entra em uma clínica dentária deve ser sempre tratado assim como um indivíduo acometido por quaisquer infecções, porém sem sinais e sintomas de determinada doença os moldes, registros de mordida, modelos, componentes, entre outros devem ser recebidos pela equipe de Prótese Dentária como se esses materiais não tivessem sofrido desinfecção pelos Dentistas.

A responsabilidade do procedimento de desinfecção é do Cirurgião Dentista (CD), mas infelizmente muitas vezes esse procedimento é negligenciado e cuidados extras devem ser realizados pela equipe de Prótese.

Mas a biossegurança nunca pode ser menosprezada na prática odontológica e a infecção cruzada sempre deve ser controlada para os riscos biológicos se reduzirem ao mínimo.

Desinfecção

Métodos de desinfecção e esterilização de equipamentos, instrumentais e
materiais odontológicos são necessários para evitar a disseminação
de patógenos:

1 Entre pacientes;
2 Paciente para os profissionais;
3 Profissional para o paciente;
4 Entre profissionais, especialmente na relação clínica/laboratorial.

Por isso existem diferentes técnicas de desinfecção que precisam ser desenvolvidas pela equipe de prótese dentária.

Diferentes técnicas de Desinfecção

Glutaraldeído

Contra indicado por oferecer muitos riscos ao usuário, porém é capaz
de produzir desinfecção de alto nível, com um amplo espectro e
mecanismos de ação rápida, conhecido também como “esterilizador
químico”.

Pode destruir todos os tipos de microorganismos (incluindo
bactérias e fungos esporulados, bacilo da tuberculose e vírus) se
usado na concentração e forma correta.

É um líquido colorido de odor forte que oferece alguns riscos aos usuários.

Apesar de ser considerado o melhor desinfetante para esterilização à frio, tem seu uso proibido em alguns países por não ser biodegradável.

Assim como pode causar irritação aos olhos, pele e trato respiratório.

Deve ser manipulado só em recipientes fechados, em ambiente possuindo exaustor ou boa ventilação e mantendo a temperatura baixa da solução, para reduzir a concentração do produto no ar.

Manipular com luvas de nitrilo.

Hipoclorito de sódio

Produz desinfecção de nível intermediário e tem amplo espectro
de atividade antimicrobiana.

Um desinfetante muito utilizado com vantagens bem como:

  • Rápida atividade antimicrobiana;
  • Fácil uso;
  • Solúvel em água;
  • Relativamente estável;
  • Não tóxico na concentração indicada;
  • Baixo custo;
  • Não pigmenta os materiais;
  • Não inflamável;
  • Incolor.

As desvantagens incluem:

  • O fato de ser irritante para mucosas;
  • Menos eficiente em meio ambiente orgânico e efeito corrosivo em metais.

Pelo fato do seu mecanismo de ação ser por oxidação, a Desinfecção tem alto efeito contra o vírus COVID-19.

Estudo avaliou o efeito desse produto na concentração de 1% sendo
borrifados em moldes de alginato, previamente lavados em água
corrente e secos e não encontraram alterações dimensionais severas
ou rugosidades nos modelos obtidos à partir desses moldes.

No entanto, a literatura descreve pequenas alterações dimensionais quando usando imersão do molde por 15 minutos em solução com concentração 0,5%.

Iodofórmio

Nível de desinfecção baixo à intermediário, sendo bactericidas, micobactericida e virucida. Também é fugicida, mas requer mais tempo de contato para ação.

Melhor usado como antisséptico do que como desinfetante.

Não é esporicida e pode causar pigmentações, não é inflamável e tem efeito irritante nas membranas e mucosas.

Materiais orgânicos remanescentes na superfície podem levar a neutralização da capacidade desinfetante do iodine, por isso que é necessário um contato maior do desinfetante para completar a desinfecção.

De acordo com estudo, 30 minutos de exposição a povidine-iodine (0,1%) não causou distorções significativas em moldes de materiais à base polisulfitos e polivinilsiloxane.

Desinfecção por Álcool

Providenciam nível intermediário de desinfecção, isso inclui o álcool isopropílico e o etílico à 70%, o isopropílico é habitualmente usado assim como antisséptico.

Superfícies de consultórios podem também ser desinfetadas com álcool isopropílico 70%. Álcool etílico é mais potente na atividade bactericida do que bacteriostática.

Também atua sobre o bacilo da tuberculose, fungos e vírus.

Não são indicados como desinfetantes de moldes por que podem causar alterações nas superfícies dos mesmos.

Também não são indicados para desinfecção de bases acrílicas de próteses.

Fenóis

São classificados como de nível intermediário de desinfecção.

Também conhecidos como venenos protoplasmáticos, em baixas concentrações promovem lise de bactérias em crescimento do
tipo e.coli, staphylococcus e streptococcus.

Possuem propriedades antifúngicas e antivirais, usados em bochechos, sabonetes e limpeza de superfícies não indicados para desinfecção de moldes.

Uso incompatível com látex, acrílico e borracha.

Clorexidina

Desinfetante e antisséptico de nível intermediário.

Tem amplo expectro de atividade e também é usada bem como substância antipútrida.

Tem uso habitual na forma de enxaguatórios orais e sabonetes. É
bactericida, virucida e micobacteriostático.

Sua atividade diminui na presença de material orgânico, uma vez que é dependente do pH.

Estudo considera que pode ser utilizado na concentração de 0.2%
substituindo a água para preparar o alginato.

Por isso o molde pode também ser imerso em clorexidina e proporcionar uma desinfecção efetiva.

Considerado também um produto indicado para desinfecção de próteses que contenham componentes metálicos, durante as idas e vindas da clínica ao laboratório características do processo

laboratorial (uma vez que o hipoclorito de sódio não seria indicado pela presença do metal).

Água ionizada

O ozônio é uma molécula gasosa inorgânica, tem atividade
DESINFECÇÃO antimicrobiana, anti hipóxica, analgésica e imunoestimulatória.

É usada para desinfecção de águas, cavidade oral e dentaduras.

A água ozonizada pode ser usada também para a desinfecção de moldes.

Estudos mostram bons resultados de desinfecção usando água ionizada
produzida por uma máquina especifica em moldes contaminados com P. Aeruginosa, S. aureus e C. albicans.

Os autores consideram ainda que a água ionizada é mais biocompatível do que o hipoclorito de sódio, clorexidine ou água oxigenada e pode ser usada com imersões por mais tempo para conseguir desinfecções mais efetivas.

Ácido Peracético

Tem vantagens bioquímicas que permitem a sua utilização de alto
nível na área médica.

Características do ácido peracético assim como pH favorável, boa capacidade antimicrobiana e baixa toxicidade, sugerem propriedades para a desinfecção de moldes na rotina odontológica.

É utilizado na proporção de 1% para desinfecção de moldes, sua capacidade anti microbiológica foi comprovada em estudo microbiológico, porém estudos de estabilidade dimensional não foram encontrados.

Considera-se também a esterilização de moldes, ou dos modelos de gesso utilizando irradiação por micro-ondas.

Mas essas causam alterações na integridade da membrana celular e do metabolismo celular que leva a morte microbiana.

É considerado um método simples, de baixo custo e efetivo de desinfecção.

Da mesma forma é indicado para desinfecção de próteses totais e também de moldes.

Por isso, alguns estudos mostram a efetividade desse método quando associado ao peróxido de hidrogênio, sem causar alterações nos materiais.

Assim como o uso da radiação ultra-violeta também é descrito e defendido por estudo de Nimonkar e colaboradores que comparou esse método com a desinfecção química utilizando hipoclorito de sódio a 1% e Glutaraldeido a 2% em relação à estabilidade do polivinilsiloxane.

A Sanders do Brasil possui soluções para biossegurança, como autoclaves, lavadoras ultrassônicas, reprocessadoras de endoscópios, termodesinfectoras, entre outros, todos equipamentos destinados a segurança do paciente e dos operadores.
Conheça nossas linhas de produtos, acesse nosso site: www.sandersdobrasil.com.br

Endoscópios: Desinfecção e Limpeza

A desinfecção e limpeza de endoscópios são fundamentais na eliminação de microrganismos nocivos à saúde, assim como, fungos, vírus, bactérias e esporos.

Com este processamento, é possível garantir a segurança de pacientes e profissionais da área da saúde que têm contato com os equipamentos.

São vários os métodos, os procedimentos e as substâncias utilizadas para esterilizar os artigos hospitalares. Mas, para garantir a eficácia do controle microbiológico, é preciso seguir uma série de normas regulamentadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Processo de Limpeza

Os endoscópios são considerados materiais semicríticos, segundo a classificação de Spaulding.

Por isso, a esterilização é o processo mais indicado. Caso não seja possível sua realização, a desinfecção de alto nível torna-se necessária.

Por serem termosensíveis, os endoscópios não permitem esterilização em autoclave, a Sanders do Brasil possui soluções para o processo de Limpeza e Desinfecção de Endoscópios, bem como a Lavadora EWS-I que padroniza a rotina de limpeza e realiza a desinfecção e secagem, além disso possui dosagem de detergente automática, tampa com acionamento elétrico e detector de vazamento. 

O processo de limpeza dos endoscópios segue a ordem abaixo:
  • Limpeza: remoção das sujidades visíveis e detritos dos artigos com água e detergente enzimático. Ela pode ser feita de forma manual ou automatizada (lavadora), o que causa a consequente redução da carga microbiana. Este é o primeiro passo, que precede os processos de desinfecção;
  • Desinfecção: é um processo físico ou químico responsável pela eliminação da maioria dos microrganismos patogênicos de objetos e superfícies;
  • Esterilização: também realizada por um processo físico ou químico, a esterilização é responsável por eliminar todas as formas de vida microbiana, incluindo esporos microbianos.

Ao utilizar a Lavadora, a exposição do usuário aos efeitos nocivos das substâncias químicas é evitado, bem como o risco de danos ao endoscópio durante o reprocessamento. 

Outra grande vantagem do uso da lavadora é a Documentação impressa ou eletrônica com todos os registros dos parâmetros utilizados em cada reprocessamento. 

Como garantir a qualidade na desinfecção dos endoscópios?

Para garantir o sucesso no processo de desinfecção do endoscópio, é preciso seguir uma série de etapas e procedimentos.

Portanto, por serem aparelhos caros e frágeis, eles necessitam de manutenção rigorosa e específica.

Além disso, seguem as normas determinadas pela Anvisa, utilizar produtos de qualidade é fundamental para obter um bom resultado.

As Lavadoras de Endoscópios da Sanders do Brasil obedecem às normas da ANVISA sobre prevenção e combate à infecção hospitalar.

Para passar pelo processo de desinfecção, é necessário que a limpeza dos endoscópios seja realizada de maneira adequada.

Para isso, é preciso remover e eliminar todas as sujidades visíveis, com o auxílio de água e detergente enzimático.

 Isso garante a primeira etapa de higienização.

Os endoscópios não podem ser esterilizados pelos métodos clássicos.

Por isso, é preciso seguir as etapas e procedimentos adequados para que o endoscópio possa ser utilizado no próximo exame com segurança.

A Sanders do Brasil possui soluções para biossegurança, como autoclaves, lavadoras ultrassônicas, reprocessadoras de endoscópios, termodesinfectoras, entre outros, todos equipamentos destinados a segurança do paciente e dos operadores.
Conheça nossas linhas de produtos, acesse nosso site: www.sandersdobrasil.com.br

Você sabe a diferença entre a limpeza e desinfecção?

Aprenda sobre a Lavadora Ultrassônica e a Termodesinfectora, e saiba qual delas recomendar aos seus clientes, assim como as principais diferenças entre a limpeza e desinfecção.

Lavadora Ultrassônica e Termodesinfectora causam muitas dúvidas durante o processo de entendimento sobre a limpeza e desinfecção.

Dúvidas bem como “qual equipamento utilizar” ou “é necessário os dois?” são muito comuns no ambiente hospitalar!

O processo desenvolvido para efetuar a descontaminação dos instrumentais hospitalares é constituído por 03 processos:limpeza, desinfecção e esterilização.

Limpeza

limpeza é o primeiro passo do ciclo de processamento de artigos, sendo também o mais importante. Este processo consiste na remoção da sujidade orgânica e inorgânica (sangue, secreções, fezes) utilizando água, sabão ou detergente enzimático.

A falha ou execução incorreta da limpeza pode dificultar ou até mesmo impedir os processos seguintes, pois a sujidade funciona assim como uma barreira de proteção natural aos microorganismos.

O processo de limpeza pode ser feito manual, porém torna-se repetitivo e cansativo. Por isto, a limpeza automatizada pode ser feita através da Lavadora Termodesinfectora e a Lavadora Ultrassônica.

Desinfecção

desinfecção é o processo de eliminação total ou parcial da carga microbiana dos artigos. Esta etapa é feita pela Lavadora Termodesinfectora.
Por efetuar uma desinfecção de alto nível, os artigos que passaram pela limpeza dentro da Termodesinfectora foram também desinfectados, não necessitando da realização de outro processo (semi-críticos).

Os artigos submetidos ao processo de limpeza na lavadora ultrassônica, seguirão para a autoclavagem.

esterilização, assim como citado acima, é o processo de destruição de todos os microorganismos através de vapor saturado, a tal ponto que não seja mais possível detectá-los.

Dicas sobre a Lavadora Ultrassônica e Termodesinfectora
  • O material pode ser lavado e desinfetado ou lavado e esterelizado, mas não os três processos. Isto porque apenas dois dos procedimentos são necessários para garantir a destruição das vidas microbiológicas existentes.
  • As lavadoras ultrassônicas não realizam a termodesinfecção, um dos motivos que um equipamento não substituir o outro. Não podemos nos esqucer das bitolas das canulas e da RDC15.
  • Preparamos para você um e-mail completo com conceitos importantes sobre a limpeza e desinfecção, além de mais informações sobre a Lavadora Termodesinfectora e a Lavadora Ultrassônica.

A Sanders do Brasil possui soluções para biossegurança, como autoclaves, lavadoras ultrassônicas, reprocessadoras de endoscópios, termodesinfectoras, entre outros, todos equipamentos destinados a segurança do paciente e dos operadores.
Conheça nossas linhas de produtos, acesse nosso site: www.sandersdobrasil.com.br

Você está vendo seu faturamento cair pois clientes preferem comprar nas lojas virtuais do que na sua loja?

Você está vendo seu faturamento cair pois clientes preferem comprar nas lojas virtuais do que na sua loja? Será mesmo apenas o preço mais baixo? Vamos lhe apresentar algumas dicas que podem lhe ajudar a reverter esta realidade!

1 – Agregue valor

Agregar outros serviços pode ser um diferencial para o lojista, pois fornecer uma experiência exclusiva ao cliente, evita que ele procure o concorrente e principalmete as lojas virtuais.
Por exemplo: ofereça um equipamento e agregue à ele um treinamento, curso ou uma consultoria técnica. Isto pode ser o seu diferencial.

2 – Utilize técnicas de upsell e cross-sell

Descobrir novas formas de fazer upsell e cross-sell pode ser muito lucrativo. Ao contrário do que se pensa, oferecer produtos complementares não faz com que o cliente realize a substituição, mas sim a compra dos dois.

3 – Atraia o cliente

O objetivo é fazer com que o potencial cliente procure por seu vendedor voluntariamente, ao invés do mesmo ir até o cliente.

É importante encontrar uma maneira de levar o cliente de bom grado até um funcionário e isto pode ser feito através de divulgações de promoções e um marketing bem desenvolvido.

4 – Peça avaliações

As lojas online desenvolvem uma ótima ferramenta para que o público avalie o produto e o serviço através de sites de comércio eletrônico que enviam e-mails automatizados para incentivar os usuários a deixarem comentários.

Por que não fazer o mesmo em suas lojas físicas?

Quando um cliente efetuar uma compra, você pode solicitar o endereço de email e enviar uma avaliação do seu produto através das redes sociais ou sites de referência assim como Google.

5 – Exiba os produtos

Quando o consumidor adquire um produto sem examiná-lo, levando em consideração apenas as imagens e informações contidas nele, pode não ter suas expectativas atendidas.
Apresente o seu produto!

Clientes que apreciam o comércio convencional optam por este segmento devido a valorização de conhecer antes de comprar, além da amizade, carisma e confiança que um vendedor “tête a tête” propicia.

6 – Tenha uma loja virtual

Complemente sua estratégia com uma loja virtual, é simples, prática e barata de se obter.
Faça com que ela seja mais uma força aliada às suas estratégias de vendas.

A Sanders do Brasil possui soluções para biossegurança, como autoclaves, lavadoras ultrassônicas, reprocessadoras de endoscópios, termodesinfectoras, entre outros, todos equipamentos destinados a segurança do paciente e dos operadores.
Conheça nossas linhas de produtos, acesse nosso site: www.sandersdobrasil.com.br