15/5: Dia Nacional do Controle das Infecções Hospitalares

15/5: Dia Nacional do Controle das Infecções Hospitalares

A data, instituída pela Lei nº 11.723/2.008, tem o objetivo de conscientizar autoridades sanitárias, diretores de hospitais e trabalhadores de saúde sobre a importância do controle das infecções hospitalares. Nesta data, o Ministério da Saúde e os serviços de saúde, em especial os hospitais, devem desenvolver campanhas de comunicação social e ações educativas com o objetivo de aumentar a consciência pública sobre o problema representado pelas infecções hospitalares e a necessidade de seu controle.

Infecção Hospitalar é a infecção adquirida após a admissão do paciente na unidade hospitalar e pode se manifestar durante a internação ou após a alta. Pela sua gravidade e aumento do tempo de internação do paciente, é causa importante de morbidade e mortalidade, caracterizando-se como problema de saúde pública.

A incorporação de novos métodos terapêuticos e tecnologias, possibilitou que muitos tratamentos antes disponibilizados somente em hospitais, hoje sejam administrados em regime domiciliar (Programa da Saúde da Família – PSF e Atendimento Domiciliar), em Hospitais-Dias (serviço dentro de um hospital onde o paciente fica durante o dia para receber tratamentos especiais) e clínicas especializadas.

Nesta nova realidade da assistência à saúde, o conceito de infecção hospitalar foi ampliado passando a incorporar as infecções relacionadas à assistência à saúde.

Portaria MS/GM nº 2.616/1.998, estabelece as diretrizes e normas para o controle de infecção hospitalar no país, e as competências dos diferentes níveis de governo e dos hospitais.

Prevenção:

A forma mais simples e efetiva de evitar a transmissão de infecções em ambiente hospitalar é a higienização de mãos. Pode ser por meio de higienização com água e sabão ou por meio de fricção com álcool 70%. Essa recomendação vale tanto para profissionais de saúde quanto para visitantes e também pacientes. A atenção aos cuidados de precaução, sinalizados pela equipe de saúde, também devem ser observados, para se evitar transmissão de doenças e agentes no ambiente hospitalar. Como paciente, além de higienizar suas mãos, principalmente antes das refeições e após usar o banheiro, procure estabelecer uma boa comunicação com a equipe de saúde para entender com clareza os cuidados que estão lhe sendo direcionados e, dessa forma, também contribuir ativamente com a sua recuperação.

Cuidados a serem adotados durante visitas ao hospital:

O visitante deve sempre higienizar as suas mãos na chegada ao hospital, antes e após tocar o paciente ou superfícies próximas ao seu redor e ao sair do hospital. Essa higienização pode ser feita tanto com água e sabão quanto pela fricção alcoólica das mãos com álcool a 70%, o qual deve estar disponível em todo o hospital. Para que a higienização das mãos possa ser mais efetiva, é importante que os adornos sejam retirados (por exemplo, anéis, pulseiras e relógios), para facilitar o contato da água ou do álcool com a superfície da pele que está sendo higienizada. A manutenção das unhas curtas e limpas também pode auxiliar. Não é recomendado que o visitante leve alimentos para o paciente sem a autorização e conhecimento prévio do médico e/ou da nutricionista, sob o risco de prejudicar o tratamento do mesmo.

Também evite levar flores e/ou plantas para o quarto do paciente. Apesar de esse gesto ser entendido como representativo de cuidado e carinho ao paciente, ele pode contribuir para a disseminação de insetos como formigas e aranhas no ambiente hospitalar. Ainda, as plantas podem trazer a presença de esporos fúngicos que, se inalados pelos pacientes imunossuprimidos, podem causar uma doença pulmonar grave, com risco inclusive de óbito.

Preferencialmente não levar crianças para realizar visitas no hospital. Como as crianças ainda se encontram em período de imunização contra doenças transmissíveis, elas podem mais facilmente tanto transmitir quanto adquirir infecções dentro do ambiente hospitalar, até mesmo por não terem maturidade suficiente para atender adequadamente às medidas de precaução e isolamento recomendadas.

Não sentar na cama do paciente, nem em camas vagas ao lado do paciente. Essa é uma atitude que demonstra educação e respeito ao próximo paciente que irá ocupar o leito.

Se houver alguma placa ou orientação na porta do quarto, procure por algum profissional de saúde responsável pelo paciente antes de entrar. Dessa forma, você receberá informações úteis que irão auxiliá-lo durante a permanência no hospital, podendo cooperar para o controle das infecções.

Lavagem das mãos:

As mãos devem ser umedecidas antes de colocar o sabão, de preferência líquido, para evitar que se toque no reservatório. Em seguida, esfregam-se bem o dorso, a palma, os dedos e os interdígitos, isto é, o vão dos dedos. É preciso tomar cuidado também com a área embaixo das unhas. Se a pessoa tem unhas mais longas, deve colocar sabão e esfregar embaixo delas. Nos hospitais, existem espátulas que ajudam a limpar essa região. Na hora de enxaguar, os dedos devem ser virados para cima, na direção da água que cai. Não devem ser usadas toalhas de pano para secar as mãos e, sim, toalhas de papel que servirão também para fechar a torneira. De que adiantará lavar bem as mãos se, depois, tocarmos na torneira contaminada?

O que são “superbactérias”?

O termo “superbactéria” é popularmente conferido às bactérias multirresistentes. Além de não ser tecnicamente correto, dá a uma noção superestimada do risco dessas bactérias. As chamadas “super bactérias” na
verdade são bactérias já conhecidas, presentes normalmente no corpo humano (por exemplo, intestino e pele), porém que se tornaram resistentes aos antibióticos hoje disponíveis, principalmente devido à pressão seletiva exercida pelo uso abusivo de antibióticos em todos os cenários (dentro e fora do hospital). No ambiente hospitalar, são chamadas de bactérias multirresistentes. Quando um paciente adquire uma infecção por uma bactéria multirresistente, as opções terapêuticas para o seu tratamento são menores e a chance de adequada recuperação fica prejudicada. Em muitos casos, se faz necessária a utilização de antibióticos ou combinações menos usuais para o seu tratamento.

Fonte: Biblioteca Virtual em SaúdeMINISTÉRIO DA SAÚDE

Desafios e crescimento da Engenharia Clínica no Brasil

Desafios e crescimento da Engenharia Clínica no Brasil

A Engenharia Clínica no Brasil já vem se tornando mais consolidada e aprimorada, mas ainda enfrenta muitos desafios. O avanço das tecnologias afetou o funcionamento e a rotina de todos os setores do mundo. Com o menor contato do humano às máquinas, a responsabilidade dos ajustes e manutenções aumentou drasticamente.

Nos Brasil, após os anos 90, com a abertura econômica do mercado nacional, marcou-se o fim do processo de burocracia das importações e das dificuldades em gerar tecnologia própria mais sofisticada.

Os equipamentos hospitalares se tornaram mais modernos e complexos. E a exigência de um engenheiro clínico em um hospital se tornou obrigatória.

O grande problema, é que a oferta desses profissionais no mercado ainda é muito pequena. De acordo com um levantamento feito em 2019 pela Associação Brasileira de Engenharia Clínica (ABEClin) consta que o Brasil conta com 4 mil profissionais, entre técnicos e engenheiros.

Cenário da Engenharia Clínica no Brasil

Até novembro de 2020 tivemos 5.530 hospitais públicos e 4.397 hospitais privados. Por essa questão, vemos o quanto ainda temos que avançar no crescimento da área para suprir a demanda do mercado.

Com a Pandemia tivemos o aumento de mais de 47% de leitos no Brasil. Um levantamento feito pelo CFM (Conselho Federal de Medicina) a partir de dados do Ministério da Saúde mostra que o total de leitos de UTI públicos e privados passou de 45.427 em janeiro para 66.786 em junho de 2020. 

No Brasil, a Engenharia Clínica introduziu-se pressionada pelo aspecto financeiro, devido ao alto índice de equipamentos desativados e parados pela falta de manutenção e treinamento adequado. Entretanto, sua implementação foi dificultada por fatores como a insuficiência de profissionais capacitados, além da falta de uma política clara para este setor (ANTUNES, 2002). 

Entretanto, a partir de 2000 alguns paradigmas começaram a ser alterados na área da saúde. A ANVISA principiou um maior incentivo em relação à qualidade de equipamentos e procedimentos na área hospitalar. Além disso, implementou a obrigatoriedade de certificação dos equipamentos médico-hospitalares comercializados no Brasil (CALIL, 2004).

Além desse fato, houve um aumento na competição entre os hospitais devido ao crescimento dos convênios de saúde, sendo ampliadas também as opções para escolha do hospital onde o paciente desejava ser tratado, demostrando um aumento do nível de exigência. 

A competição no setor hospitalar pode ser analisada de forma diferente da competição tradicional existente nos demais setores, na qual a concorrência de preços e maximização de lucro são os principais elementos que impulsionam a concorrência. A visão tradicional da competição hospitalar tem mostrado que os hospitais disputam principalmente no que se refere à qualidade, de modo a investir em equipamentos sofisticados, atrair profissionais da saúde e oferecer um ambiente agradável, para atrair pacientes (NOETHER, 1988).

No setor público, ainda que a competição não seja um fator relevante, a criação de grupos de Engenharia Clínica foi estimulada pelos processos de acreditação hospitalar, resultando no aprimoramento do gerenciamento de equipamentos médico-hospitalares. 

Ainda que tenha seu perfil desenvolvido para atuar em ambientes hospitalares, o engenheiro clínico tem sido cada vez mais requisitados pelas indústrias fornecedoras de equipamentos médico-hospitalares para funções de desenvolvimento, homologação e certificação, além do suporte técnico.

Com essa informação, já conseguimos destacar a precariedade de profissionais capacitados na área da saúde no Brasil, visto que a demanda de profissionais ainda é baixa, para o setor hospitalar e também para indústria.

O profissional da área, atualmente, deve possuir conhecimentos para controle de custos dos equipamentos (tanto para manutenção, quanto operação), normas técnicas, gerenciamento de riscos e avaliação tecnológica, conceitos de segurança elétrica e confiabilidade dos equipamentos, investigação de incidentes, critérios para certificação de equipamentos e atividades para acreditação hospitalar (CALIL, 2004).

Fonte: Desafios e crescimento da Engenharia Clínica no Brasil

Bioética e sua importancia

Bioética: o que é e qual sua importância?

Bioética, do grego bios (vida) + ethos (ética), é a ética da vida ou ética prática, isto é, um campo de estudo inter, multi e transdisciplinar que engloba a biologia, a medicina, a filosofia, o direito, as ciências exatas, as ciências políticas e o meio ambiente.

Com foco em discutir questões, a área tenta encontrar a melhor forma de resolver casos e dilemas que surgiram com o avanço da biotecnologia, da genética e dos próprios valores e direitos humanos. Isso sempre prezando a conduta humana e levando em conta todas as áreas do conhecimento que, de alguma forma, têm implicações em nosso dia a dia.

Exemplos de casos que envolvem bioética são as polêmicas em torno do aborto, do transplante de órgãos, dos transgênicos, do uso de animais e humanos em experimentos, do uso de células-tronco, da eutanásia, do suicídio, da fertilização in vitro, entre outras.

A tomada de decisões em âmbito clínico na área acontece por meio de três princípios fundamentais:

  • A beneficência e a não maleficência (médico), ou seja, “fazer o bem” e “não causar dano”;
  • A autonomia (paciente), capacidade que cada um tem de tomar suas próprias decisões;
  • A justiça (sociedade), garantia de uma distribuição justa, equitativa e universal dos serviços da saúde.

Nesse contexto, o exercício da enfermagem é de extrema importância, pois deve se apegar a esse referencial de reflexão ética para nortear suas práticas, analisando-as em uma dimensão ou visão bioética.

Sociedade e meio ambiente

Mas não é só nos meios científico e hospitalar que a bioética existe. Os princípios da bioética também estão presentes em nosso cotidiano e no meio ambiente, em todas as relações humanas, no respeito à autonomia das pessoas e até no modo como consumimos e usufruímos dos recursos naturais.

Nesse aspecto ambiental, a bioética pode promover uma reflexão que busque um modelo sustentável que respeite e tenha responsabilidade por todos os seres vivos. Com isso, ela pode ser uma importante aliada para a análise do atual modelo de desenvolvimento, de forma a permitir a sustentabilidade para a atual e para as futuras gerações.

Bioética e avanços tecnológicos

bioética pode ser aplicada também quando falamos em estética. A reflexão por trás do assunto diz respeito à busca insistente na suposta “perfeição física” (que é socialmente construída), em que pessoas se submetem a procedimentos médicos com grandes riscos à saúde.

Esses são problemas e desafios que precisam ser enfrentados por todos os âmbitos da bioética, pois cada avanço da biologia e das ciências da saúde traz consigo obstáculos sociais e psicológicos. A pesquisa com embriões humanos, por exemplo, enfrenta problemas por ser um tema delicado que envolve tanto conceitos morais como o interesse científico e financeiro.

E esse é o papel da bioética: tentar solucionar tais dilemas a partir de seus princípios, sabendo que não há apenas uma resposta que possa ser julgada correta. A busca da área é pelo equilíbrio justo entre a ciência e o respeito à vida, reconhecendo os benefícios que o avanço científico e biológico proporcionam, mas também permanecendo alerta para os riscos que eles representam para a sociedade e para o meio ambiente.

Segurança do paciente: O protagonismo do profissional de enfermagem

segurança do paciente é um propulsor de mudanças significativas na assistência à saúde, que impactam todos  pacientes, instituições de saúde e as diversas categorias profissionais envolvidas no cuidado.

O contexto

O movimento da Segurança do Paciente, no que seria o modelo mais próximo ao que conhecemos hoje, começou em 1999, com a publicação do agora histórico relatório Errar é Humano, pelo então Institute of Medicine, nos Estados Unidos. Pela primeira vez, ficaram claros em números a extensão e a gravidade dos danos que a assistência à saúde pode causar.

Desde então, uma revolução foi colocada em curso – às vezes, não na velocidade com que gostaríamos, é verdade. Mas as mudanças são irreversíveis e irrefreáveis. Somos testemunhas da transformação na concepção de valor na saúde, que está levando à busca de modelos de cuidado centrado no paciente e, em última instância, à alteração nas formas de remunerar os hospitais pelos seus serviços. Não há mais espaço – nem recursos financeiros – para desperdícios e ineficiência. A segurança do paciente está se tornando um pilar essencial à sustentabilidade das empresas de saúde.

É inevitável que ela influencie também no papel de cada uma das categorias profissionais envolvidas na assistência à saúde. Com a enfermagem, uma das primeiras a abraçar essa “nova” missão, não é diferente. Uso o termo novo entre aspas porque registros históricos sugerem que algumas das questões que tanto discutimos hoje como prioridades dentro da segurança do paciente sempre foram preocupações na enfermagem.

Duas pesquisadores da Escola de Enfermagem da Universidade Detroit Mercy, nos Estados Unidos, conduziram um levantamento histórico muito interessante, mostrando a evolução desse conceito ao longo do último século. Ao analisar 1.085 artigos sobre enfermagem entre 1900 e 2015, elas apontaram o papel preponderante da enfermagem no desenvolvimento da segurança do paciente (1).

Evolução histórica

Entre 1900 e 1919, já se relatava a preocupação com a contagem de compressas e gazes em procedimentos cirúrgicos domiciliares, além de lesões na pele e risco de pneumonia para pacientes acamados. A “teoria dos germes”, em voga na época, levava a enfermagem a recomendar a seus profissionais a “esterilização” das mãos parq evitar a propagação de doenças.

Na década de 1920, com a descoberta da insulina, os artigos de enfermagem destacam a necessidade de cuidar da dieta dos pacientes. Na década seguinte, já se nota atenção à administração segura de medicamentos, com a recomendação de ler rótulos três vezes, usar etiquetas para identificar a dosagem , não interromper o profissional que estiver administrando medicação e identificar o paciente pelo nome antes de iniciar o processo.

Preocupação com broncoaspiração, prevenção de quedas e transporte adequado dos pacientes são temas que também aparecem ao longo das décadas seguintes – e que, ainda hoje, são muito atuais.

Planejamento

O papel histórico da enfermagem na evolução de práticas de segurança do paciente e as mudanças em curso hoje sugerem que função da enfermagem atualmente é mais estratégica do que nunca. Talvez, mais do que se prender em fazer diagnósticos de enfermagem, o papel da enfermagem seja o de planejar o cuidado, com foco na avaliação de riscos de eventos adversos, segundo o perfil e as necessidades de cada paciente.

Com essa mudança de perspectiva, a enfermagem se torna, mais do que nunca, não só um elemento essencial à saúde baseada em valor, mas a base do cuidado centrado no paciente.

Nas últimas décadas, a segurança do paciente tem se tornado um dos temas mais debatidos na área da saúde, afetando diretamente a qualidade da assistência prestada pela equipe de enfermagem. Aliás, a segurança do paciente representa um dos maiores desafios para a excelência da qualidade no serviço de saúde, uma vez que as condições de trabalho comprometem a qualidade do cuidado em todo o país, principalmente na Rede Pública de Saúde.

Diante disso, é fundamental refletir e debater sobre o papel dos enfermeiros na prestação do cuidado seguro ao paciente. Mas, por outro lado, é preciso destacar que todo profissional é passível de erros, ainda mais quando essa profissão envolve a realização de cuidados complexos, procedimentos invasivos e a permanência de horas a fio ao lado do paciente.

O enfermeiro na segurança do paciente

Visando melhorar a segurança dos pacientes em todo o mundo, a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomendou que sejam implementados pelos gestores de hospitais e clínicas as seguintes ações de segurança:

  • Evitar a ocorrência dos eventos adversos;
  • Torná-los visíveis, caso ocorrerem;
  • E minimizar os seus efeitos com intervenções eficazes.

É importante destacar que os eventos adversos são geralmente associados ao erro humano, mas que devem ser tratados como desencadeadores às condições de trabalho, aspectos estruturais e a complexidade das atividades desenvolvidas, tais como o avanço tecnológico com deficiente aperfeiçoamento dos recursos humanos, falhas na aplicação da Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE), delegação de cuidados sem a supervisão adequada e a sobrecarga de trabalho.

No que se refere ao trabalho de enfermagem, os erros mais comuns a ele relacionados acontecem na administração de remédios; na transferência de paciente e na troca de informações; no trabalho em equipe e na comunicação; na incidência de quedas e de úlceras por pressão; nas falhas nos processos de identificação do paciente, na incidência de infecção relacionada aos cuidados de saúde, entre outros.

O Brasil implementou diversos programas e políticas como a Qualidade da Gestão e Assistência Hospitalar, a Política Nacional de Humanização (PNH), a Organização Nacional de Acreditação (ONA) e o Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP) com o objetivo de contribuir para a qualificação do cuidado em saúde em todos os estabelecimentos de saúde do país, sejam eles públicos ou privados, segundo a prioridade dada à segurança do paciente pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Nessa perspectiva, o Ministério da Saúde incentiva os serviços de saúde a desenvolverem as seguintes ações de melhorias:

  • Identificar corretamente o paciente;
  • Melhorar a comunicação efetiva;
  • Incentivar a higienização das mãos;
  • Prevenir, controlar e notificar eventos adversos;
  • Reduzir o risco de lesões ao paciente decorrente de quedas;
  • Assegurar cirurgias com local de intervenção, procedimentos e pacientes corretos;
  • Administrar com segurança de medicamentos, principalmente os de alto-risco, sangue e hemocomponentes;
  • Reduzir o risco de infecções associadas ao cuidado da saúde;
  • Estimular a participação do paciente na assistência prestada e ações de prevenção de quedas e úlceras por pressão.

Fonte: IBSP / PEBMED

precarização do trabalho

A precarização do trabalho durante a pandemia por Covid-19

Com o advento da pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2), a precarização do trabalho ganhou mais destaque, principalmente após medidas adotadas no Brasil, como a edição do decreto sobre o número de serviços públicos e a realização de serviços essenciais atividades durante a epidemia.

Diante da nova ordem, nem todos os trabalhadores poderão usufruir das precauções recomendadas pela OMS, como isolamento e distanciamento social, pois muitos precisam continuar trabalhando, mantendo maior risco de exposição ao vírus e à doença.

A precariedade do emprego de longa data apresenta uma dinâmica difícil de responder à pandemia, ao mesmo tempo que agrava a instabilidade estrutural, pois inclui maior flexibilidade nas condições de trabalho e sobreexploração dos trabalhadores. Saúde, alimentação, petróleo, transporte e outros campos.

A Realidade no Brasil e no mundo

Atualmente no Brasil, essa instabilidade abrange as mais diversas regiões das menos desenvolvidas às mais desenvolvidas, gerando insegurança no emprego, mobilidade laboral, fragilização das relações laborais, levando a prejuízos em diversos setores da economia, muitas vezes promovendo a informalização, a precarização do trabalho, deterioração das condições e desemprego.

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) estima que em 2020 cerca de 9 milhões de trabalhadores em todo o mundo, principalmente trabalhadores informais, totalizando 1,6 bilhão, estavam na pobreza e perderam 60% de seus rendimentos de trabalho em abril de 2020. regiões como África e América Latina.

Nas relações laborais, sabe-se que o emprego é a base da sobrevivência do indivíduo, pois é através do emprego que ele obtém salários e capital. Além disso, promove a realização pessoal e o reconhecimento na busca da dignidade como ser humano. Contudo, também pode causar estafa mental, ansiedade, desequilíbrio físico e emocional, também conhecido como Doenças Psicossomáticas.

As exacerbações das más condições de trabalho podem ser afetadas pela reestruturação produtiva da economia, mas também têm dimensões próprias, tais como: vínculos empregatícios e relações contratuais; organização e condições de trabalho; instabilidade da saúde do trabalhador; enfraquecimento do reconhecimento social, valorização e Processos de constituição de identidade individual e coletiva e representação e organização coletiva (sindical).

Portanto, é preciso compreender que a saúde do trabalhador reflete uma série de determinantes, como alimentação adequada, moradia, educação, lazer, transporte, condições de proteção social vivenciadas em um ambiente saudável. No entanto, à medida que os trabalhadores vivenciam mudanças nas relações de trabalho e nas condições de trabalho, isso também pode levar ao adoecimento mental e físico.

Perante condições de trabalho sobrecarregadas e precárias, os profissionais de saúde considerados essenciais tiveram que enfrentar uma série de dificuldades ao longo da pandemia de Covid-19 devido ao aumento da jornada de trabalho, excesso de tarefas e falta de acesso a equipamentos de proteção individual, isolamento do mundo exterior social rede de apoio (família, amigos), medo, insegurança, desgaste físico e mental.

Além disso, esses trabalhadores devem vivenciar os desafios da pandemia permeados por reformas trabalhistas que liberalizaram a forma de contratação dos trabalhadores e reduziram as garantias de bem-estar e proteção social.

Os trabalhadores da saúde são os que ocupam o maior número de contratos de terceirização, e no Brasil, após aprovação de leis que liberaram a terceirização ilimitada (Leis nº13.429 e nº13.467, de 2017), retirando direitos trabalhistas, resultaram em repercussões psicossociais e psicopatológicas decorrentes da precarização do trabalho mais intensificada, tornando os trabalhadores essenciais mais vulneráveis a exposição do Sars-CoV-2.

É necessário compreender que a flexibilização e más condições de trabalho colocam em risco a vida do trabalhador, tornando-o mais vulnerável, comprometendo o enfrentamento da doença, visto que pode inviabilizar o funcionamento dos setores ditos essenciais como o próprio sistema de saúde.

Fonte: PEBMED

Resistencia a Antibioticos

Resistência Antimicrobiana Nova Ameaça Global

Resistência de microrganismos aos medicamentos poderá levar à morte de 10 milhões de pessoas por ano a partir de 2050, de acordo com estudo britânico.

Entenda nesse blog o que são superbactérias e a ameaça global da resistência a antibióticos.

A resistência de microrganismos aos antibióticos é uma das maiores ameaças à saúde global atualmente. O aumento no número de bactérias resistentes aos medicamentos, chamadas popularmente de superbactérias, coloca em risco a saúde de humanos e de animais. O problema está associado diretamente ao uso excessivo e incorreto dos antibióticos disponíveis.

A OMS estima que cerca de 50% das prescrições de antibióticos oriundas de hospitais possuem algum erro, das mais variadas naturezas. A prescrição de antimicrobianos na medicina humana é uma das causas-raiz do problema; entretanto, o uso de antimicrobianos na produção animal e na agricultura suplanta a quantidade de antibióticos utilizada em seres humanos. Já há cerca de uma década atrás, o consumo anual de antimicrobianos na produção animal girava em torno de 63.151 toneladas ao ano. Aproximadamente 70% dessa quantidade é excretada no solo sob forma inalterada e pode, por sua vez, contaminar pastos e plantações.

Há alguns anos, um relatório do governo britânico liderado pelo economista Jim O’Neill apontou um cenário global preocupante para a resistência bacteriana aos antibióticos. Segundo o documento, 700 mil pessoas morrem a cada ano no mundo devido a infecções causadas por bactérias resistentes.

Os pesquisadores estimaram que, se não forem feitas mudanças em nível global, a resistência a antibióticos pode levar à morte de 10 milhões de pessoas por ano a partir de 2050, o que representa uma morte a cada 3 segundos.

Como o uso indiscriminado favorece a resistência

Os antibióticos são medicamentos capazes de matar ou inibir o crescimento de bactérias. A sua eficácia está associada diretamente ao agente causador da infecção. Isso significa que nem todos os antibióticos são adequados para o tratamento de uma mesma infecção. Por isso, esses medicamentos devem ser utilizados apenas no combate a infecções bacterianas e de acordo com a prescrição médica.

A resistência aos antibióticos acontece quando determinada bactéria se modifica em resposta ao uso dos medicamentos.

A prescrição de antibióticos para síndromes clínicas não infecciosas, mas que podem ser confundidas como processos infecciosos, é uma realidade e doenças como insuficiência cardíaca, doença pulmonar obstrutiva crônica e uremia são frequentemente tratadas com antibioticoterapia. Tratamentos com antibióticos de amplo espectro para síndromes infecciosas de etiologia bem definida como celulites, pneumonias comunitárias e infecções do trato urinário exercem pressão seletiva para o desenvolvimento de bactérias resistentes.

Finalmente, a prescrição desnecessária ou abusiva de antibióticos aumenta o risco de eventos adversos, o tempo de internação e o custo da assistência à saúde prestada ao paciente.

Programas de uso racional e gerenciamento de antimicrobianos (antimicrobial stewardship programs) já fazem parte dos protocolos institucionais de muitos hospitais do país, entretanto, ainda carecem de implementação mais ampla e organizada, contemplando ações de consultoria e de auditoria. A formação e atuação de equipes especializadas no manejo de antimicrobianos, normalmente compostas por médicos infectologistas e farmacêuticos clínicos, permite que as recomendações e ações propostas sejam operacionalizadas. Ações conjugadas desta natureza já se mostraram efetivas em controlar a emergência de bactérias resistentes e são consideradas práticas de excelência por empresas certificadoras de qualidade em serviços de saúde.

Pandemia de Covid-19 acelerou processo

A Covid-19 é uma infecção respiratória causada por um vírus chamado tecnicamente de SARS-CoV-2, ou novo coronavírus. Embora os antibióticos não tenham efeito no combate às infecções virais, o aumento no número de pacientes internados em decorrência da Covid-19 ampliou o uso desses medicamentos em larga escala em todo o mundo.

O aumento do uso de antibióticos está associado principalmente ao tratamento de infecções hospitalares, comuns em pacientes que permanecem internados por longos períodos, como pode acontecer em casos graves de Covid-19.

Os hospitais rotineiramente têm uma série de procedimentos invasivos que atuam como condutos para bactérias – como o uso de ventilação mecânica e cateteres intravenosos. O aumento do uso de antibióticos devido ao aumento das infecções hospitalares associadas a esses dispositivos tem facilitado a seleção de bactérias resistentes nesse cenário.

A resistência aos medicamentos aumenta o custo do tratamento, prolonga a permanência do paciente no hospital e aumenta a mortalidade. À medida que os antibióticos falham, o número de infecções mais difíceis de tratar também aumenta.

Sanders do Brasil é referencia em produtos de alta tecnologia para Central de Materiais e Esterilização, CMEs, com produtos destinados ao controle de infecções, entre em contato e conheça nossas soluções.

Fonte: CNN Brasil – Resistência aos antibióticos é um problema de saúde global

Os hospitais e a Nova Economia com a locação de equipamentos hospitalares

Equipamentos Hospitalares: Hospitais e a Nova Economia

A Nova Economia também é chamada de economia do compartilhamento, e talvez este nome ajude a entender melhor seu conceito. A lógica é simples e engloba o nosso dia a dia. Por que comprar um carro pra se locomover ao trabalho se dá pra pedir carona por aplicativo? Por que comprar um telefone novo todo ano se é possível alugar e trocar anualmente por bem menos? Os hospitais estão encontrando meios de se adaptar a ele através da locação de equipamentos hospitalares.

De acordo com o Instituto de Pesquisas em Saúde da PwC realizada em 2016, aquele já seria um ano de estreias para novos players na área da saúde, com a adaptação da indústrias ás principais tendência da chamada “Nova Economia da Saúde”, que prevê a ascensão do consumo com foco em valor, pressão sobre diminuição de custos, inovação tecnológica e o impacto do surgimento de novos operadores de serviços de saúde.

Hospitais vão aderir à Nova Economia

A sustentabilidade é um bem popular. Uma das formas de incentivar esse princípio é cultuar a chamada nova economia, também conhecida como economia compartilhada. Talvez nem todos saibam o que o conceito significa, mas devem ter experimentado essa nova ordem econômica que está avançando em algum momento. Não é por acaso que grandes empresas, incluindo hospitais e clínicas, aderiram à tendência.

No relatório desenvolvido pela Market Reports World, empresa especializada em análises de mercado em âmbito global. O estudo mostra que o mercado de locação de equipamentos médicos cresceu em 20 países após a pandemia, e o cenário se manterá rigorosamente com essa tendência pelo menos nos próximos 5 anos.

Além do Brasil, as locações cresceram também nos Estados Unidos, no Canadá, nas principais economias europeias e asiáticas e em países vizinhos da América do Sul, como Argentina e Chile. Essa tendencia de mudança já era apontada em 2016 pela PwC, sobre principais tendências da última década que têm persistido e as que evoluíram. 

A locação de equipamentos hospitalares é uma opção lucrativa para todos, e essa mudança fundamental representa uma ruptura em um modelo de gestão hospitalar de décadas. Anteriormente, o custo de aquisição de novos equipamentos hospitalares representava uma parcela significativa das despesas hospitalares. Isso os obriga a aumentar o preço das negociações e dos procedimentos. Dito isto, também tem um impacto no bolso do paciente.

Comprar ou Alugar Equipamentos hospitalares

A locação de equipamentos hospitalares é uma opção lucrativa para todos, e essa mudança fundamental representa uma ruptura em um modelo de gestão hospitalar de décadas. Anteriormente, o custo de aquisição de novos equipamentos hospitalares representava uma parcela significativa das despesas hospitalares. Isso os obriga a aumentar o preço das negociações e dos procedimentos. Dito isto, também tem um impacto no bolso do paciente.

Além disso, esses custos são constantes, pois as inovações tecnológicas obrigam essas instituições a trocarem equipamentos de tempos em tempos para acompanhar os avanços tecnológicos nos tratamentos prestados. Em outras palavras, os hospitais estão constantemente comprando e vendendo equipamentos, ou descartando equipamentos.

A substituição da locação de equipamentos hospitalares por aquisição, além de reduzir os custos operacionais, também resolve o problema da sazonalidade da demanda que é comum em alguns hospitais, e como exemplo, a Pandemia.

Pandemia e a Locação de Equipamentos hospitalares

Um exemplo disso aconteceu no início da pandemia do coronavírus. O rápido crescimento do número de infectados obrigou os hospitais a se equiparem rapidamente com ventiladores pulmonares, por exemplo, para dar conta de toda a demanda, e a crescente demanda de pacientes gerou um enorme aumento de resíduos, levando os hospitais a aumentarem a demanda das CMEs.

Se esses equipamentos fossem adquiridos durante a pandemia, conforme a antiga lógica de compra, enfrentaria toda a burocracia envolvida em tais negociações e ainda arriscaria pela dificuldade de obter a quantidade necessária de equipamentos. Diante da alta demanda, entregue pelo fabricante.

Esta é mais uma vantagem do leasing de equipamentos. A entrega dos equipamentos costuma ser mais rápida e os serviços de assistência técnica (outro problema dos hospitais) já estão incluídos no serviço, evitando custos adicionais que a gestão hospitalar nem sempre prevê.

A Sanders do Brasil conta com uma linha de equipamentos para CME e lançou uma linha comercial de alugueis de seus equipamentos, como autoclaves, lavadoras ultrassônicas, reprocessadoras de endoscópios, termodesinfectoras, entre outros, todos equipamentos destinados a segurança do paciente e dos operadores.

Conheça nossas linhas de produtos, acesse nosso site: www.sandersdobrasil.com.br

Farmácia hospitalar: tendências, profissionais, processos e tecnologia

A farmácia hospitalar é crucial na prestação de uma boa assistência ao paciente, além da garantia da sua segurança. Por tal razão, a gestão deve focar na eficiência do processo de dispensação de medicamentos — que inclui armazenamento, organização, compras dos insumos, além da responsabilidade no manejo com as doses.

Nesse contexto, vale frisar que as despesas com medicamentos ocupam o terceiro lugar na lista de custos dos hospitais. Dados da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), apontam que os valores representam mais de 10% das despesas totais das instituições de saúde.

Dada à relevância do papel da farmácia dentro do hospital, e sabendo que há pelo menos três grandes tendências para as farmácias hospitalares que estão contribuindo para a melhoria dos serviços prestados aos pacientes: (1) aumento do uso de tecnologia nesse setor e aplicação de automação, (2) aumento da oferta de medicamentos biológicos e (3) melhorias das práticas de gestão do departamento. Nesse post vamos trazer mais detalhes de cada um desses três tópicos. Confira:

A farmácia hospitalar e o hospital 4.0

A chamada quarta revolução industrial e o conceito de indústria 4.0 estão sendo discutidos na saúde com o tema hospital 4.0. Essa revolução significa a integração de diferentes tecnologias, entre elas big data, inteligência artificial e internet das coisas, com objetivo de melhorar os serviços prestados e as decisões gerenciais tomadas nas instituições de saúde.

A integração dessas tecnologias faz com que as informações dentro do hospital sejam repassadas entre setores de maneira mais ágil e precisa, possibilitando melhor eficácia na operação e alterando a relação da instituição com o paciente. Dessa forma, não se considera apenas o tratamento, mas a jornada completa da pessoa, desde a prevenção de doenças até a manutenção da saúde.   

Para se adequar ao hospital 4.0, a instituição precisa adaptar sua estrutura e investir na capacitação de seus profissionais, e a farmácia hospitalar está incluída nessa mudança. A automação e a tecnologia nesse setor podem melhorar significativamente: a logística; o controle; estoque; e a distribuição dos medicamentos, reduzindo desperdícios e aumentando a segurança do paciente.

Medicamentos biológicos

Outra tendência muito forte que afeta os processos e tecnologias utilizadas nas farmácias hospitalares. Além disso, a formação de profissionais da área representa um aumento no uso de medicamentos biológicos na terapia. Essas drogas são produzidas por biossíntese em células vivas. Ao contrário dos sintéticos produzidos por síntese química, os sintéticos representam uma grande inovação na indústria farmacêutica, fornecendo soluções para uma grande variedade de doenças. Neste caso, até então, não haviam sido tratados com remédios convencionais eficazes.

Os medicamentos biológicos são diferentes em sua composição, em relação aos medicamentos produzidos com síntese química. Eles são formados por moléculas grandes , complexas e construídas de milhares de átomos e são, em geral, bastante sensíveis a variações das condições de conservação e armazenamento. Essa característica traz a necessidade de melhor controle de estoque na farmácia hospitalar e se relaciona com o tópico anterior sobre o aumento de tecnologia no setor.

O monitoramento das condições de armazenamento de medicamentos, como a temperatura do local. Ele pode ser feito de maneira muito mais precisa com instrumentos de medição automáticos. Assim garantindo a conservação dos produtos e novamente trazendo mais segurança aos pacientes. Essa tendência é um grande desafio para os profissionais, não somente pela utilização de novas tecnologias como esses instrumentos automáticos. Mas essencialmente pelo fato de que os medicamentos biológicos não fazem parte, comumente, da formação de graduação dos farmacêuticos.

Profissionalização da gestão

A gestão da farmácia hospitalar, como dissemos no início do post, é essencial para o controle de custos dentro da instituição. Porém, assim como acontece com diversos outros profissionais da área da saúde, o farmacêutico muitas vezes não possui uma formação adequada para essa atividade.

Para aplicar as boas práticas de gestão em uma farmácia hospitalar, é necessário entender: planejamento; planejamento de compras; classificação de medicamentos; armazenamento; distribuição de medicamentos; e controle de erros de dispersão para eliminá-los.

Assim como os biofármacos estão diretamente relacionados ao aumento do uso de tecnologia nas farmácias hospitalares, a especialização da gestão também está. Os sistemas informatizados têm auxiliado muito as atividades de gestão da farmácia hospitalar. Dessa forma, agiliza o acesso às informações, garante a precisão dos dados, melhora a tomada de decisões do setor e auxilia no controle de custos.

Observando macro tendências para farmácia hospitalar, tanto em relação à formação dos profissionais quanto aos processos do setor, é inegável que cada vez mais a tecnologia será protagonista. Esta, por sua vez, evolui e se modifica cada vez mais rápido. Por essa razão, os farmacêuticos que trabalham na área, e têm um papel fundamental nas casas de saúde, devem estar sempre por dentro das novidades.

O impacto das tecnologias no papel do farmacêutico na área hospitalar

A qualidade dos cuidados prestados por um farmacêutico depende de vários fatores. Mesmo com a evolução da profissão, é preciso buscar estratégias que ajudem a acompanhar as tendências do mercado. Afinal, é uma forma mais eficiente de superar os desafios dos gestores das farmácias hospitalares.

Recentemente, a Federação Brasileira das Redes Associativistas e Independentes de Farmácias (Febrafar) fez um iRecentemente, a Federação dos Sindicalistas Brasileiros e a Federação das Redes Independentes de Farmácias (Febrafar) lançaram um grande alerta à indústria farmacêutica. Concluindo, o artigo enfatiza que o mercado está Aberto a profissionais profissionalmente qualificados e adaptados às inovações que contribuem para a segurança do paciente.

Logo, a análise dessas macro tendências para a farmácia hospitalar evidencia a necessidade de perceber como a área de saúde tem experimentado mudanças. Ademais, a superação dos desafios enfrentados pelo setor depende de focar em estratégias mais alinhadas com as novidades que surgem a todo momento.

Além disso, o farmacêutico precisa buscar meios de facilitar o gerenciamento de sua rotina para manter a produtividade e a eficiência dos serviços. Nesse sentido, a adoção de ferramentas específicas é um dos passos elementares para acompanhar essa dinâmica e a evolução dos processos.

Portanto, esse é o momento de tomada de decisão para impulsionar o seu negócio e fortalecer a sua marca. Aproveite e fale com um de nossos consultores e conheça o melhor que a Sanders disponibiliza para garantir a segurança do paciente e a otimização das atividades do seu Hospital.

Conheça desafios e atribuições do profissional de enfermagem em UTI!

Muitas pessoas têm o sonho de exercer uma profissão na área da saúde para cuidar dos pacientes e ajudá-los a conquistarem qualidade de vida, objetivo que fica evidente quando se fala na rotina de trabalho em uma Unidade de Terapia Intensiva. Pensando nisso, este conteúdo mostra que características deve ter um bom profissional de enfermagem em UTI.

Atualização de conhecimento, cuidados precisos, responsabilidade, dedicação. Profissionais da enfermagem que escolhem atuar em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) gostam de grandes desafios e adotam essas palavras como ferramentas diárias.

A enfermagem em Terapia Intensiva exige do técnico da especialidade, dentro de suas competências, o desenvolvimento de atividades fundamentadas em conhecimentos específicos e nos novos protocolos para o tratamento dos pacientes graves. O profissional precisa saber identificar o momento em que o paciente apresenta instabilidade hemodinâmica, para atuar em equipe numa Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP), identificar e acompanhar o avanço tecnológico.

Além disso, o texto explica quais são os principais desafios e as atribuições da equipe intensivista de enfermagem e resume o que diferencia o técnico de enfermagem e o enfermeiro no atendimento prestado à UTI. Por fim, o artigo informa por que é importante investir em formação acadêmica para conquistar o sucesso na carreira.

Continue a leitura e saiba mais sobre o assunto!

Que características tem um bom profissional de enfermagem em UTI?

No momento em que o paciente é admitido na Unidade de Terapia Intensiva, a equipe de enfermagem deve estar a postos para cuidar do enfermo, auxiliando-o na higienização, por exemplo, e se comprometer com a administração do hospital. Além disso, são características desse profissional:

  • atualização constante do conhecimento;
  • cuidados específicos com o paciente internado;
  • dedicação para trabalhar em longas jornadas, inclusive nos finais de semana;
  • domínio de técnicas de verificação hemodinâmica e conhecimento em equipamentos como a Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP);
  • assistência humanizada com pacientes e familiares;
  • e controle diário de medicações e alimentação por sonda.

Outras características, comuns a profissionais da área da saúde e especialmente importantes para intensivistas, são a facilidade para se comunicar com as pessoas, a empatia e a estabilidade emocional para lidar com situações traumáticas.

Quais são os desafios e as atribuições desse tipo de profissional?

Unidade de Terapia Intensiva é a área hospitalar reservada para a assistência de pacientes críticos e casos de alta complexidade, que necessitam de observação e suporte contínuo. Um ambiente tão importante como esse requer o trabalho de profissionais efetivamente preparados para lidar com as situações mais adversas. 

Até aqui, você sabe quais são as características fundamentais que o profissional de enfermagem deve ter para trabalhar em uma UTI. Mas a dúvida que fica é sobre os desafios e as atribuições associados a essa importante função exercida no ambiente hospitalar. Confira!

Monitorar máquinas

Uma das primeiras coisas que vêm à cabeça quando se pensa em UTI são os sons e os gráficos dos equipamentos hospitalares, certo?

As máquinas, sem dúvida, são essenciais para prolongar a vida e ampliar as chances de melhora dos pacientes internados. Por isso, os profissionais da enfermagem devem monitorar sempre os aparelhos e, em caso de falhas mecânicas, acionar a equipe técnica para solucionar o problema.

Administrar higiene do paciente

O profissional de enfermagem em UTI é responsável, também, por realizar a higiene e manter o bem-estar do paciente. Nesse caso, funções como trocar a roupa, dar banho, medicar, manter curativos e conferir a hemodinâmica (intervenção terapêutica com uso de cateter e injeção, por exemplo) são corriqueiras para esse funcionário intensivista.

Treinar equipes de enfermagem

O profissional intensivista, por outro lado, deve empenhar-se no treinamento da equipe de enfermagem locada na UTI. Por isso, ele tem a responsabilidade de observar constantemente o trabalho realizado individual e coletivamente, motivando-se, ainda, a participar de cursos e qualificações para melhor desempenhar a sua função na unidade.

Realizar a gestão hospitalar

Por fim, a equipe de enfermagem intensivista ocupa-se da gestão hospitalar, promovendo a organização dos setores, indicando as funções de cada profissional e lidando diretamente com possíveis demandas de pacientes e familiares.

Como muitas Unidades de Terapia Intensiva funcionam 24 horas, semanalmente, essa função administrativa da equipe de enfermagem é essencial para manter a rotatividade dos funcionários no hospital e, assim, atender a urgências e emergências a qualquer momento.

A rotina agitada diária de um enfermeiro especializado em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) inicia-se no momento em que o paciente é admitido no ambiente hospitalar. O enfermeiro especialista em terapia intensiva, para dar conta de toda a pressão e a responsabilidade a que é submetido, precisa ser proativo e atento ao espaço, à gestão e aos cuidados necessários para com o paciente, além de exercer funções multidisciplinares simultâneas.

Cuidar de pessoas em estado grave exige muita dedicação, que precisa estar associada a conhecimentos que favoreçam um desempenho com qualidade. Assim, a qualificação por meio de uma especialização contribui muito para o profissional desenvolver suas habilidades, além de equipamentos de qualidade para auxiliar no dia-a-dia desses profissionais.

A Sanders do Brasil é referencia em equipamentos para CMEs Hospitalares, entre em contato e conheça mais nossos produtos.

Risco biológico

Risco biológico: dicas de cuidados no ambiente hospitalar

O risco biológico é facilmente encontrado no ambiente hospitalar, tendo como medida preventiva fundamental a necessidade do uso de equipamentos de proteção individual para médicos, enfermeiros e demais profissionais de saúde.

Existem normas e classificações que regem os níveis de contenção adequados para os seus manuseios. Entretanto, as instituições de saúde devem possuir meios próprios de tratar novos riscos. A implementação de novas técnicas de biossegurança deve ser adotada sempre que as medidas existentes se mostrarem ineficazes.

“Curiosamente, uma das principais normas de biossegurança em hospitais, clínicas e laboratórios é a higienização das mãos que, apesar de simples, é uma das medidas mais eficazes na contenção de doenças infectocontagiosas”, destaca Rubens Rodrigues Barrozo, analista de Gestão em Saúde e presidente da Comissão Interna de Biossegurança do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz).

Geralmente, o maior número de acidentes com os profissionais de saúde envolve episódios com agulhas ou outros perfurocortantes, além de contato com sangue ou materiais contaminados. “Desta forma, os equipamentos de proteção individuais (EPIs) devem ser utilizados apenas no local de trabalho e nunca em refeitórios, copas ou em outros locais da instituição, uma vez que existe o risco de transportarem microrganismos”, adverte Rubens Barrozo.
Apesar de tal recomendação ser amplamente conhecida por todos os profissionais de saúde, é comum observarmos profissionais utilizando jalecos em áreas públicas e transportando-os de maneira inadequada.

Para Rubens Barrozo, os principais desafios na área de biossegurança hospitalar são a falta de recursos financeiros e a oferta de treinamentos. “Essa singularidade traz desafios relacionados com a gestão do processo de trabalho, proteção e produção da saúde do trabalhador, e até com a formação de novos profissionais”, conclui.

Confira as principais normas de biossegurança em hospitais, clínicas e laboratórios:

NR 7 – estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO), que visa promover e preservar a saúde de seus trabalhadores. Está contida na Portaria nº 3.214/78 do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), para regulamentar a Lei nº 6.514, de 22 de dezembro de 1977;

Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) – visa estabelecer medidas que visem a eliminação, redução ou controle desses riscos em prol da preservação da integridade física e mental do trabalhador. Esse programa é regulamentado pela Norma Regulamentadora 9, contida na Portaria nº 3.214/78 do Ministério do Trabalho e Emprego – MTE, para regulamentar a Lei nº 6.514, de 22 de dezembro de 1977;

NR – 32 / Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde – norma que cuida da saúde dos profissionais da área de saúde e tem por finalidade estabelecer as diretrizes básicas para a implementação de medidas de proteção à segurança e à saúde dos trabalhadores dos serviços de saúde, bem como daqueles que exercem atividades de promoção e assistência à saúde em geral. Está contida na Portaria nº 3.214/78 do Ministério do Trabalho e Emprego – MTE, para regulamentar a Lei nº 6.514, de 22 de dezembro de 1977.

A NR-32 abrange as situações de exposição aos diversos agentes de risco presentes no ambiente de trabalho, como risco biológico; químico e físico, com ênfase nas radiações ionizantes e, os riscos ergonômicos. Estabelece ainda que os EPI, descartáveis ou não, deverão estar à disposição, em número suficiente, nos postos de trabalho, de forma que seja garantido o imediato fornecimento ou reposição.

Além do cumprimento da legislação, os EPIs devem atender às seguintes exigências: ser avaliados quanto ao estado de conservação e segurança; estarem armazenados em locais de fácil acesso e em quantidade suficiente para imediata substituição; segundo as exigências do procedimento ou em caso de contaminação ou dano.
Com relação aos quimioterápicos antineoplásicos, é vedado iniciar qualquer atividade na falta de EPI. Além disso, é proibido movimentar cilindros de gases sem os EPIs adequados.

Devem ser elaborados manuais de procedimentos relativos à limpeza, descontaminação e desinfecção de todas as áreas, incluindo superfícies, instalações, equipamentos, mobiliário, vestimentas, EPI e materiais;

NR 6 / Equipamento de Proteção Individual – estabelece a obrigação do empregador em oferecer gratuitamente a proteção completa contra os acidentes de trabalho. Está contida na Portaria nº 3.214/78 do Ministério do Trabalho e Emprego – MTE

Confira a lista completa de EPIs:

  • Luva: EPI básico para proteção contra riscos biológicos e químicos, sendo os tipos mais resistentes, adequados para manipulação de produtos mais contaminantes;
  • Touca: protege de forma dupla, tanto contra partículas que possam contaminar os profissionais quanto da queda de cabelos ou outros componentes em materiais e ambientes de trabalho;
  • Avental: funciona como barreira contra determinadas substâncias e microrganismos;
  • Sapatos fechados: a NR-32 impede uso de sapatos abertos;
  • Máscara: Evita o risco de contaminação respiratória;
  • Óculos: impede exposição dos olhos com agentes físicos, químicos e/ou biológicos.

Apesar da NR6 não especificar jalecos como EPIs, na prática, são assim considerados, por serem considerados como: “dispositivo de uso individual, utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos suscetíveis de ameaçar a sua segurança no trabalho”.

Fonte: PEBMED