Cesto de Processamento

CME: saiba mais sobre uso de cestos de processamento para produtos de saúde

O Centro de Materiais e Esterilização (CME) é o setor responsável pelo processamento de produtos para saúde (PPS). É lá que se realiza a limpeza, o preparo, a esterilização e armazenamento dos materiais. A centralização do processamento dos PPS no CME é uma forma de oferecer eficácia, eficiência e efetividade por meio da padronização dos processos.

Em se tratando de esterilização, é importante ressaltar a necessidade de diferentes tipos de barreiras para atender aos diversos métodos de esterilização. Sendo assim, as embalagens devem ter as seguintes características: compatibilidade com o agente esterilizante, permitir a remoção do ar, a penetração e remoção do agente esterilizante, ser resistente a temperaturas, pressão, tração, perfurações, tempo de armazenamento, transporte, manuseio e manter o conteúdo estéril até o ponto de uso, onde deve permitir a abertura e transferência asséptica do produto.

Os tipos de embalagens disponíveis comercialmente são:

Embalagem de proteção: Embalagem projetada para proteger os instrumentos e evitar danos ao Sistema de Barreira Estéril. Exemplo: estojos perfurados e cestos de processamento.

Sistema de barreira estéril: Embalagem que impede a penetração de agentes microbianos no interior do pacote, mantendo a esterilizado do conteúdo até o momento do uso. Exemplo: sistema de barreira estéril rígido, também denominados de contêiner; e sistema de barreira estéril flexível, representado pelos campos de tecidos de algodão, SMS, papel grau cirúrgico, Tyvek e papel crepado.

Sistema de embalagem: Combinação de um sistema de barreira estéril e embalagem de proteção. Exemplo: Container System: composto por cesto de processamento, contêiner (base e tampa) e insumos (lacres, filtros e etiquetas).

Sistema de Contêiner (Container System): Sistema de embalagem que combina base, cesto, tampa e insumos (etiquetas e filtros de uso único ou múltiplo uso).

A esterilidade depende da qualidade do material da embalagem, manuseio, condições de armazenamento e transporte. Umidade e contaminação líquido/fluído, sujeira e poeira podem comprometer a embalagem. É responsabilidade do CME reconhecer as vantagens, desvantagens e limitações dos diferentes tipos, selecionando a mais apropriada para cada item e processo de esterilização para garantir a eficácia, a manutenção da esterilidade e a proteção do item.

Sanders do Brasil é tecnologia, é conhecimento em CME

A Sanders do Brasil, fabricante brasileira e especialista em soluções para processamento de produtos para saúde, traz algumas dicas para o armazenamento dos PPS esterilizados:

– Pacotes estéreis não devem ser armazenados próximo ou em baixo de pias;

– Embalagens devem ser organizadas de forma que não sejam esmagadas, dobradas ou comprometidas;

– Itens mais pesados devem estar nas prateleiras inferiores ou intermediárias, os mais leves em estantes mais altas;

– O primeiro produto a ser armazenado deve ser o primeiro a sair (FIFO) com o objetivo de reduzir o manuseio das embalagens;

– Armazenar os PPS em armários fechados ou abertos a uma distância de 10 cm do piso, 30 cm do teto e 5 cm das paredes, distantes de janelas exteriores, longe de tráfego intenso e em área com acesso restrito.

Contêineres e cestos para esterilização

Os contêineres são considerados a embalagem primária dos conjuntos de instrumentos cirúrgicos. Oferecem proteção mecânica durante o armazenamento, o manuseio e o transporte. São projetados para permitir a remoção do ar do interior dos pacotes e a penetração do agente esterilizante através dos filtros, os quais garantirão a manutenção da esterilidade do conteúdo até o ponto de uso.

É uma tecnologia desenvolvida para permitir a otimização dos espaços internos do CME e da autoclave, uma vez que podem ser empilhados de maneira organizada e segura durante a esterilização e armazenamento sem comprometer a penetração do agente esterilizante e nem a transferência de umidade. O contêiner também permite o empilhamento dos cestos de processamento em seu interior, possibilitando uma melhor organização e distribuição interna dos instrumentos cirúrgicos. Na parte externa dos contêineres existem locais padronizados e específicos que possibilitam inserir etiquetas com informações necessárias e importantes que atendam as determinações legais e vigentes no país, bem como os lacres que são rompidos na abertura do contêiner e indicam caso o contêiner seja violado antes do ponto de uso.

A Sanders oferece ao mercado Cestos de Processamento e Rack para limpeza em geral, produtos que reúnem o conceito de barreira estéril e proteção, proporcionando manuseio confortável, segurança, controle e organização do processo de esterilização.

Fáceis de usar e resistentes, oferecem excelente barreira microbiana, eliminam desperdício e protegem os instrumentos de danos durante o processamento, armazenamento e transporte. Compatíveis com processos de esterilização por vapor saturado, vapor de formaldeído e óxido de etileno, favorecem a organização dos produtos esterilizados.

CESTOS DE PROCESSAMENTO

Os cestos de processamento formam o sistema de embalagem perfeito. São robustos, seguros, práticos e de fácil manuseio, possibilitando a organização dos instrumentais para conferência, esterilização e transporte. Possuem alta resistência e durabilidade, além da estrutura aramada em aço inox, que protegem o profissional e o instrumental, além de permitir melhor circulação do agente esterilizante. Com 90% de área perfurada, otimizam o processo de secagem e substituem caixas perfuradas. Contam com cantos arredondados que evitam danos às embalagens flexíveis e seguem as medidas DIN, compatíveis com normas internacionais.

Conheça mais nossos produtos, entre em contato com os especialistas da Sanders do Brasil, temos soluções completas para CMEs, Clinicas Odontológicas e Hospitalares.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.