Conheça 7 formas de aplicar a biossegurança na enfermagem

Conheça 7 formas de aplicar a biossegurança na enfermagem

Considerando que o ambiente hospitalar é composto por diversos tipos de riscos, como biológico, físico, químico, ergonômico, etc., a biossegurança em enfermagem é uma questão muito relevante. A adoção dessa abordagem é uma forma de controlar e reduzir os perigos que causam acidentes e doenças ocupacionais, que prejudicam a saúde, o bem-estar e a qualidade de vida dos colaboradores e o meio ambiente.

Pensando na sua importância, elaboramos este conteúdo para apresentar as melhores formas de aplicar a biossegurança na área da saúde, principalmente no ramo da enfermagem. Acompanhe!

Como funciona a aplicação da biossegurança na enfermagem?

As regras e procedimentos estabelecidos devem ser seguidos cuidadosamente para manter um ambiente de trabalho mais seguro e prevenir os riscos de doenças e acidentes de trabalho. Portanto, neste momento, medidas que possam melhorar o desempenho dos funcionários são cruciais.

O que pode ser feito para garantir a efetividade da biossegurança na enfermagem? Conheça 7 formas a seguir.

1. Identificar os tipos de riscos

Os riscos precisam ser mapeados conforme as suas características, para que sejam mais bem compreendidos, e as estratégias mais eficientes serem aplicadas. Eles podem ser:

  • agentes químicos (vermelho) — produtos químicos de diversas formas, como medicamentos, formol e ácidos;
  • agentes físicos (verde) — equipamentos que geram frio, calor, radiação, centrífugas, autoclave etc;
  • agentes biológicos (marrom) — agentes biológicos, por exemplo, bactérias, vírus e fungos;
  • agentes mecânicos/de acidentes (azul) — espaço físico inapropriado para a realização do trabalho, iluminação inadequada, possibilidade de incêndio e demais;
  • agentes ergonômicos (amarelo) — outras atividades profissionais, como rotina intensa, estresse físico e mental, levantamento de peso, postura inadequada, esforço repetitivo, entre outros.

2. Utilizar os EPIs

De acordo com a Norma Regulamentadora Nº 6, a empresa é obrigada a oferecer, de forma gratuita, os equipamentos de proteção individual para que o empregado tenha condições de desenvolver suas atividades com proteção. Entre os mais utilizados na área da enfermagem, estão:

  • Luvas — protegem contra os riscos químicos, biológicos, sendo bastante usadas na manipulação de produtos contaminantes;
  • Avental — serve como barreira contra certas substâncias e microrganismos;
  • Touca — protege contra partículas que possam contaminar o trabalhador e a queda de fios de cabelos em materiais ou ambiente laboral;
  • Óculos — evita a exposição dos olhos a agentes biológicos, físicos e químicos;
  • Máscara — previne o risco de contaminação por vias respiratórias;
  • Sapatos — de acordo com a Norma Regulamentadora Nº 32, fica impedido o uso de sapatos abertos na realização das atividades.

Considerando que cada atividade possui um EPI específico para garantir a segurança necessária, é fundamental que os profissionais entendam os bons padrões de atendimento.

3. Higienizar as mãos constantemente

As mãos são um dos principais transportadores de microrganismos. Portanto, é imprescindível ter atenção à higiene em ambiente hospitalar exposto a diversas doenças e substâncias infecciosas. Nesse caso, toda a equipe, incluindo enfermeiras, médicos e demais profissionais, precisa desinfetar as mãos com álcool 70% na troca de pacientes antes de calçar novas luvas e visitantes.

Além disso, as mãos devem ser lavadas com água e sabão com frequência, com o intuito de evitar a contaminação hospitalar. O ideal é inserir placas e sinais de aviso em local apropriado a respeito da importância desse cuidado, contendo as instruções de como realizá-lo.

4. Manipular corretamente os materiais

A manipulação correta dos materiais hospitalares é outra ação importante para a aplicação da biossegurança em enfermagem. Isso porque é imperativo saber o que deve ser feito ao manusear agulhas, sangues, itens cortantes, entre outros.

Nesse caso, deve-se criar um Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviço de Saúde (PGRSS), que se trata de um documento técnico onde estão inseridas todas as medidas de segurança referentes aos resíduos, desde a sua geração até o seu descarte, e que deve ser seguido a risca para evitar acidentes e contaminação.

5. Descartar os resíduos adequadamente

Essa medida é importante para preservar não só as pessoas que se encontram na unidade hospitalar, como o meio ambiente. Os protocolos e as normas de biossegurança devem englobar o descarte de todos os tipos de resíduos, como:

  • potencialmente infectantes — aqueles que podem conter agentes infecciosos e geram riscos biológicos, como vestígios de fluidos, devem ser descartados em sacos de lixo branco e recolhidos por empresa especializada no cuidado com lixos hospitalares;
  • químicos — resíduos que contenham substância química, como tóxicos, inflamáveis e corrosivos, também devem ser coletados e tratados por empresa especializada;
  • radioativos — resíduos que apresentam radioatividade superior ao padrão precisam ser tratados em observância às normas de biossegurança;
  • comuns — aqueles que não foram contaminados e não geram riscos de contaminação, como plásticos e papéis, podem ser descartados de forma habitual e levados para a coleta de rotina;
  • perfurocortantes — qualquer instrumento que possa cortar ou furar, como agulhas e vidros, precisam ser descartados em caixas amarelas específicas e coletadas por empresa especializada.

6. Desinfetar as superfícies

É necessário desenvolver manuais de procedimentos relacionados à limpeza, desinfecção e descontaminação de áreas, equipamentos, superfícies, EPIs e demais. Nesse caso, álcool, água corrente, sabão e detergente são soluções eficientes para eliminar o risco biológico, como fluidos e sangues. Tudo deve ser limpo antes e depois da sua utilização, com a finalidade de evitar a propagação de microrganismos residuais.

7. Treinar a equipe

Os colaboradores precisam conhecer os riscos aos quais estão expostos para que tenham a total consciência da importância de seguir à risca os protocolos apresentados. Por esse motivo, é crucial apresentar os perigos de contaminação e infecção a todos os membros da equipe. Além disso, é preciso fazer reciclagens e treinamentos periódicos para lembrá-los a respeito desses riscos e atualizar sobre mudanças e processos originários de novas ameaças.

Agora que você entende a importância da biossegurança na enfermagem, deve entender todos os cuidados a serem tomados, visto que o não cumprimento das medidas pode trazer múltiplos riscos ao profissional, ao paciente e ao meio ambiente. Por exemplo, além de colocar em risco a segurança dos indivíduos e a possibilidade de desenvolver e disseminar doenças de difícil controle, aumenta a exposição a vírus, bactérias e outros patógenos.

Conheça toda linha de produtos Sanders para CME.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.