Central de Material e Esterilização: 5 coisas que você precisa saber

CME é a sigla para Central de Material e Esterilização. A sigla também pode ser conhecida como Central de Materiais Estéreis ou até Centro de Material Esterilizado, e apesar das variações, o objetivo é o mesmo: ser um setor destinado à limpeza, acondicionamento, esterilização e distribuição de todos os artigos médicos hospitalares.

A infecção hospitalar representa a quarta maior causa de óbitos em todo o mundo. De acordo com o Ministério da Saúde, no Brasil, fungos, vírus e bactérias matam cerca de cem mil pessoas todos os anos.

O assunto preocupa hospitais da rede pública e privada pela alta taxa de contágio, que chega a 15% de todos os pacientes internados em hospitais brasileiros. Nos EUA e em países da Europa, o nível chega a 10%.

A prevenção contra esse grave problema pode ser feita através de atitudes simples, como a correta higienização de instrumentos e utensílios médicos.

Por isso, em hospitais de médio e grande porte, há um setor específico para isso: o CME.

1. O que é CME (Central de Material e Esterilização)?

O processo de limpeza, esterilização e infecção envolve não apenas a remoção da sujeira, mas também a eliminação de todos os micro-organismos presentes no item a ser processado.

Essa prática é adotada pelo menos desde o século IX a.C., quando Homero aponta o uso do Enxofre como desinfetante. Com o passar do tempo e o sucessivo desenvolvimento dos estudos sobre a microbiologia, metodologias foram adotadas técnicas contra as doenças infecciosas.

No Brasil, a primeira Central de Material e Esterilização foi implantada na década de 1940, no Hospital das Clínicas de São Paulo. Desde então esse setor vem sendo constantemente desenvolvido, apesar das limitações.

2. Por que é tão importante?

A Central de Material e Esterilização é considerada como o setor mais importante de uma instituição hospitalar, sendo chamada de “coração do hospital”. Isso porque é a partir dela que todos os outros setores dão continuidade à assistência dos pacientes.

Um hospital é o lugar onde há a maior associação de fatores de risco à saúde humana. Pesquisas científicas sugerem que a infecção hospitalar ameaça mais que infecções como gripe, AIDS e tuberculose juntas, tendo em vista que nenhum outro ambiente combina, de forma tão insalubre, hospedeiros vulneráveis e patogenias resistentes.

Dessa forma, são indispensáveis ações para prevenir contaminações, já que ao lado de neoplasias e doenças cardiovasculares, respiratórias e contagiosas, a infecção hospitalar é a causa da maioria das mortes ao redor do mundo.

A enfermagem tem um papel fundamental na gestão de equipamentos médicos e principalmente dentro das CME, devendo adotar medidas de prevenção e controle de infecções.

Por serem profissionais qualificados e que atuam em conjuntos com os demais setores, os enfermeiros são os responsáveis por administrar e integrar essa central, planejando, executando e avaliando os métodos de esterilização.

3. Como funciona uma Central de Material e Esterilização?

Uma Central de Material e Esterilização pode ser descentralizada, quando cada unidade hospitalar esteriliza e prepara o material utilizado, semicentralizada, onde os materiais são preparados em cada unidade e esterilizados no mesmo local, ou centralizada, quando o preparo e a esterilização são feitos no mesmo lugar. A melhor e mais usada forma de funcionamento é a centralizada, já que proporciona mais eficiência, economia e qualidade.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é quem estabelece as diretrizes para o funcionamento de um Centro de Material Esterilizado. As normas abrangem todas as áreas e ações relacionadas ao setor.

Na constituição da equipe da CME, por exemplo, deve haver enfermeiros e técnicos ou auxiliares de enfermagem. O responsável pelo setor também deve ser preferencialmente enfermeiro, com curso superior, habilitação legal e treinamento voltado para o processamento de produtos para a saúde, devendo se dedicar integralmente à essa unidade. 

Ainda de acordo com a Anvisa, a infraestrutura da CME deve ser constituída de: sala de recepção e limpeza; sala de preparo e esterilização; sala de desinfecção química (quando aplicável); área de monitoramento do processo de esterilização; e sala de armazenamento e distribuição de materiais esterilizados.

E como ambientes de apoio, devem ser previstos: vestiário com sanitário para funcionários; depósito de material de limpeza; uma copa para os funcionários do setor; sala administrativa e sala para descanso de funcionários em plantões noturnos.

4. Quais os setores?

A esterilização dos materiais hospitalares dever ser feitas na seguinte sequência:

  • Expurgo: Todo o material “sujo” é recebido pelo setor e limpo antes da esterilização.
  • Preparo de materiais: Os utensílios são inspecionados, identificados, separados, embalados e preparados para a esterilização.
  • Esterilização: Aqui, o material é esterilizado por meios físicos (calor úmido ou seco) ou químicos (através de soluções).
  • Distribuição de materiais esterilizados: O último processo consiste em armazenar o material esterilizado e devolvê-lo aos setores de origem, com os cuidados necessários e estabelecidos.

Um exemplo de CME é do Hospital Alberto Rassi – HGG que adquiriu uma lavadora ultrassônica para a Central de Materiais Esterelizados e desde o dia 24 de abril 2015, os colaboradores do setor já utilizam o equipamento que garante também maior rapidez na disposição dos instrumentais ao Centro Cirúrgico.

Lavadora Ultrassônica Sanders utilizada na Central de Material e Esterilização do Hospital Alberto Rassi
Lavadora Ultrassônica Sanders – Fonte: IDTECH

5. Quais as principais barreiras?

A crescente resistência dos micro-organismos a agentes químicos e físicos obriga o setor a manter o rigor e uma constante atualização das formas de limpeza e esterilização.

Além disso, apesar da suma importância dentro dos hospitais, muitas CME ainda não seguem todos os padrões teóricos definidos. E isso é causado, principalmente, por uma junção de fatores, como altos custos de maquinário e manutenção, baixo investimento no setor, falta de profissionais qualificados para o e a ausência de planejamento.

6. Conclusão

Dadas as informações sobre os perigos das infecções e contaminações, a Central de Material e Esterilização ainda merece maior atenção dentro dos hospitais. Além da assistência prestada aos pacientes, os funcionários também precisam estar seguros, já que estão em contato diário com materiais de alto risco. Os enfermeiros, fundamentais para o funcionamento de um hospital, têm grande responsabilidade na garantia da eficácia dos processos contra infecções.

Uma sugestão é a criação de comissões especiais de fiscalização, com um bom relacionamento com a administração hospitalar, para aproximar as referências teóricas aos padrões de funcionamento do setor. Os funcionários devem, ainda, estar em constante treinamento, para que sejam aperfeiçoadas as técnicas de limpeza, esterilização, segurança e logística.

A Sanders do Brasil, cuja missão é preservar a vida dos pacientes e profissionais da área de saúde é referencia no desenvolvimento e fabricação de equipamentos para limpeza e desinfecção de materiais hospitalares, ajudando as instituições a combaterem a infecção hospitalar e cumprindo a RDC 15.

Acesse nosso site, conheça as nossas soluções e conte com a Sanders para seu negócio.

One thought on “Central de Material e Esterilização: 5 coisas que você precisa saber

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.